O impacto do ESG no Mercado Financeiro

Tempo de leitura: 5 minutos

 

Já falamos aqui no blog sobre a agenda ESG e sua crescente importância no contexto atual. Mas você sabe qual é o real impacto do ESG no mercado financeiro?

Acompanhe a leitura e descubra!

Relembrando o termo ESG 

Caso você ainda não tenha ouvido falar ou não se recorde, vamos recapitular do que se trata o termo. ESG é a sigla para Environment, Social and Governance – em português, meio ambiente, social e governança.

A agenda ESG trata de implementar dentro das organizações práticas que contemplem a preocupação com esses três pilares. Desse modo, a atuação das empresas torna-se cada vez mais engajada com questões de sustentabilidade, impacto social, transparência de dados e boas práticas administrativas.

 

Surgimento do ESG no mercado financeiro

Embora esteja muito em alta nos últimos tempos, a pauta ESG não é tão nova quanto parece. Inclusive, ela já vem passando por um período de amadurecimento há décadas. 

Estima-se que os primeiros fundos com características ESG surgiram já na década de 1970, na Europa e nos EUA. No Brasil, o movimento começou um pouco mais tarde, por volta dos anos  2000.

O primeiro fundo de ações com foco em ESG foi o fundo Ethical, no início do novo milênio. 

O termo em si, foi definido em 2004, quando surgia o Pacto Global das Nações Unidas (ONU) e uma carta foi enviada a 55 das principais instituições financeiras do mundo, incluindo o Banco do Brasil. A carta as convidava a olhar para questões ligadas ao ESG na gestão de seus ativos. Depois disso, o tema foi ganhando cada vez mais relevância e, gradativamente, tornou-se parte das discussões do Fórum Econômico Mundial.

Em finanças, o atual debate versa sobre o compromisso para os investidores de varejo e, também, a implementação de regulações que tornem os princípios cada vez mais mensuráveis. 

 

Qual é a relevância do ESG no mercado financeiro?

Atualmente, diante de uma mudança de postura da sociedade, com uma maior cobrança de atitudes alinhadas às pautas ESG, não é mais possível analisar investimentos só com métricas tradicionais. As organizações causam impacto e são impactadas por questões climáticas, sustentabilidade, causas sociais, etc. Por isso, é crucial que as empresas estejam atentas a essas e outras questões pertinentes.

Para Fabio Alperowitch, cofundador e gestor da FAMA Investimentos, a popularização exponencial do ESG no mercado financeiro se dá através de três grandes movimentos: “O primeiro é a mudança do capitalismo shareholder, que é aquele em que as empresas se importavam apenas com seus próprios lucros, para um capitalismo stakeholder, mais inclusivo. O segundo é um processo de mudança geracional – a geração Z se importa com questões que as gerações anteriores não se importavam, como direitos humanos, meio ambiente, crueldade animal, etc. O terceiro é questão de urgência da mudança climática, que direciona as atenções para alguns temas e exige mudanças regulatórias.” 

Pensando em Governança, o G da sigla, o impacto é muito óbvio. É natural que qualquer investidor prefira alocar seus recursos em uma empresa que preza por transparência, boa gestão e metas estratégicas bem definidas.

Em termos de Meio Ambiente – o “E” – as políticas avançam de forma mais lenta, impulsionadas por iniciativas da ONU ao longo das últimas décadas. O que resulta no mercado financeiro perpetrado pelo Pacto Global em 2004. 

Por fim, o “S” representando as questões de âmbito Social, tem se mostrado o grande desafio do momento para o ESG no mercado financeiro. Katerina Trostmann, chefe de sustentabilidade do banco francês BNP Paribas, acredita que com a pandemia o atraso das empresas em termos de práticas sociais ficou escancarado: “Realmente trouxe essa atenção para o S. Mostrou como as questões que cabem dentro do S estão atrasadas, como saúde, pobreza, acesso ao saneamento, bem-estar das pessoas, saúde mental”, alega.

 

Desafios ESG para o setor financeiro

No momento, um dos maiores desafios apontado por especialistas em ESG no mercado financeiro é a imaturidade dos investidores e a falta de conhecimento sobre o tema

Um exemplo citado por Fabio Alperowitch é a falta de compreensão sobre selos de sustentabilidade. Segundo ele, os Princípios do Investimento Responsável (PRI), por exemplo, é algo frequentemente confundido por investidores.

Por vezes, investidores encaram o selo PRI como um sinal de práticas ESG, quando na verdade trata-se apenas de um selo autodeclaratório. Sendo assim, não serve como uma comprovação dos princípios de fato. O gestor ainda explica que o Brasil está bastante atrasado no amadurecimento do mercado ESG, contando com um debate superficial, raso e “quase que monotemático”. 

banner com fundo verde, à esquerda uma imagem de uma mulher branca vestindo termo cinza e camisa azul clara e um homem branco de terno preto e camiseta branca, ambos conversando sorridentes enquanto sobem as escadas, olhando para um papel nas mãos da mulher. à direita os dizeres "paper, educação corporativa no setor financeiro, baixe agora"

 

4 dicas para avançar na agenda ESG no mercado financeiro

  • Fuja do Greenwashing

De acordo com estudo da empresa Market Analysis, 8 em cada 10 empresas brasileiras se envolvem em greenwashing. O termo pode ser traduzido como “lavagem verde”, ou ainda “maquiagem verde”. 

A prática refere-se a uma estratégia de promoção de propagandas sustentáveis enganosas, adotada por empresas que querem parecer engajadas com questões de sustentabilidade, quando na verdade não aplicam o conceito na prática. Além de imoral, é uma estratégia que pode causar um problema de imagem e de credibilidade para as organizações e, portanto, deve ser evitada.

 

  • Direcione corretamente os esforços

Embora os três pilares do ESG sejam importantes, é fundamental analisar qual deles é mais material na sua empresa, de acordo com o segmento de negócio. Isso permitirá o desenvolvimento de uma estratégia assertiva. Empresas de diferentes setores  têm diferentes pontos fortes e fracos em ESG, e entender em qual aspecto a sua empresa deve focar os esforços é fundamental para gerar diferenciação estratégica e ganhos financeiros no longo prazo.

 

  •  Encare o ESG como alavanca para o seu negócio

Atualmente, o ESG no mercado financeiro não é visto somente como boa prática, é algo crucial. Assim, é essencial que as organizações financeiras parem de encarar o investimento em políticas ESG como algo preventivo e comecem a enxergá-lo como vantagem competitiva, investindo em estratégias inovadoras e em abordagens mais complexas, difíceis de imitar e que gerem ganhos no longo prazo.

 

  • Capacite suas lideranças

Por fim, é primordial garantir o engajamento da alta liderança na promoção dos pilares ESG no mercado financeiro. Para isso, é importante preparar os CEOs, diretores e gestores da empresa, para que a pauta seja vista como prioridade por todos os colaboradores. É necessário  que haja metas, estratégias e metodologias definidas pela alta liderança acerca do tema. 

Um programa de Educação Corporativa Digital é uma alternativa eficaz para desenvolver algumas das competências necessárias para essas lideranças, como visão sistêmica das políticas ESG, domínio de conceitos relacionados – como capitalismo de stakeholder, materialidade e economia de baixo carbono, além de soft skills para tratar do tema com todas as partes envolvidas.

banner roxo com os dizeres "Conheça as melhores soluções em capacitação corporativa digital! Fale conosco"

Que tal começar a planejar o seu programa de T&D tendo em mente o impacto do ESG no mercado financeiro? Nós podemos te ajudar com as melhores soluções educacionais em Educação Corporativa! Entre em contato  e saiba mais.

 

Leia também:

>> Conheça as principais Tendências em T&D para 2023

>>[CASE] Como o storytelling engajou e capacitou a área de segurança patrimonial da Amaggi 

>> Qual a importância da gestão do conhecimento nas empresas?

2022-11-23T17:09:10-03:00