Educação Corporativa: como chegamos até aqui?

A educação corporativa ganha destaque no cenário atual, no entanto, isso não significa que ela seja algo novo.

Tempo de leitura: 5 minutos
mulher branca, sentada em uma poltrona, trabalhando em um notebook apoiado em seu colo
mulher branca, sentada em uma poltrona, trabalhando em um notebook apoiado em seu colo

A cada dia, o mundo se moderniza mais e mais. Com ele, moderniza-se também o universo do trabalho e a educação corporativa. 

Digitalizar-se deixou de ser uma opção para se tornar uma obrigatoriedade para as empresas que desejam se manter competitivas no mercado. A transformação digital chegou com força e as organizações e profissionais que não se adaptarem a ela, ficarão para trás.  

Quando falamos em adequação à transformação digital, não existe outra resposta: o investimento em capacitação é imperativo.

A educação corporativa ganha destaque no cenário atual, no entanto, isso não significa que ela seja algo novo no universo corporativo. Afinal, quando surgiu a educação corporativa no Brasil e no mundo? Acompanhe a leitura para descobrir!  

Um mergulho no contexto histórico da Educação Corporativa

Embora esteja mais em alta do que nunca atualmente, a educação corporativa não é novidade: a mudança de mentalidade acerca da necessidade de investir em capacitação corporativa para o desenvolvimento dos profissionais, felizmente, é um movimento que já vem ocorrendo há algum tempo. Estima-se que o conceito começou a ser explorado por volta da década de 1950.

Segundo Marisa Eboli, professora e pesquisadora referência em educação corporativa, “a troca de paradigma na gestão de empresas, com a passagem da administração taylorista/fordista para a gestão flexível, gerou forte impacto no comportamento das organizações”. 

Foi nessa época que o antigo modelo de gestão, centralizado e verticalizado, deu lugar a uma estrutura organizacional horizontal e descentralizada. Assim, as tarefas passam a ser mais integradas, aliando o trabalho mental ao manual e deixando de lado a padronização e fragmentação.

Obviamente, diante de tantas mudanças, o nível de complexidade do trabalho aumentou e, consequentemente, a busca por profissionais cada vez mais qualificados também. Dessa forma, surge a latente necessidade de uma força de trabalho com maior capacidade de raciocínio lógico, tomada de decisão e habilidades múltiplas.

Com isso, uma nova realidade empresarial começa a se formar. 

Grandes empresas começam a prezar  pelo autodesenvolvimento e por uma cultura de lifelong learning, fatores imprescindíveis independentemente do nível hierárquico. Assim, dão preferência às soluções educacionais que vão além do conhecimento técnico e instrumental, focando no desenvolvimento das tão famosas soft skills, para a formação integral dos indivíduos. 

Diante de todo esse movimento, adota-se um olhar voltado a um modelo  educacional  mais abrangente e complexo, que contemple todos os colaboradores de uma organização. E, assim, surge uma nova modalidade da educação corporativa. 

banner verde, com uma mulher usando o notebook à esquerda e, ao seu lado, um homem usando o celular, à direita os dizeres "ebook gratuito, desafios na educação corporativa digital, baixe agora"

Educação Corporativa no Brasil

O conceito de educação corporativa no Brasil nasceu a partir das mudanças e demandas ocorridas no ambiente empresarial e educacional, na década de 1990. Antes disso, a capacitação profissional e os treinamentos costumavam acontecer de maneira fragmentada e ocasional.

Visando acompanhar o movimento do mercado, cada vez mais globalizado, as organizações começaram a enxergar o investimento na qualificação de seus colaboradores como um diferencial competitivo. Então, a Educação Corporativa passou a desempenhar um papel estratégico nas grandes organizações, com o intuito de fomentar a aprendizagem contínua dos colaboradores para atingir os objetivos e necessidades de negócio. 

Nos anos 2000, o conceito ganhou ainda mais força, devido à modernização das práticas de gestão, os rápidos avanços da tecnologia e a visão do capital humano como diferencial competitivo. 

Empresas brasileiras de grande porte foram pioneiras no investimento em educação corporativa para o desenvolvimento de suas equipes. Para isso, essas organizações firmavam parcerias com instituições de ensino, consultorias especializadas e, até mesmo, criavam suas próprias universidades corporativas.

E falando em pioneirismo, antes mesmo da década de 2000, no ano de 1996, o DOT Digital Group surgia, com soluções disruptivas para sanar as necessidades educacionais dessas corporações. Nossa história acompanha os primeiros passos da educação corporativa e do ensino à distância no Brasil.

Naturalmente, de lá para cá, muita coisa mudou: novas tecnologias surgiram — e continuam a surgir — e impactaram a educação corporativa, que continua evoluindo dia após dia.

Atual cenário e a relevância da Educação Corporativa

Nos dias de hoje, há um crescente reconhecimento da importância de disseminar uma cultura keep learning para assegurar o sucesso das organizações. Assim, a educação corporativa ganha cada vez mais espaço, sendo adotada por empresas de diferentes setores e tamanhos, que almejam investir no desenvolvimento de seus colaboradores como parte fundamental de sua estratégia de negócio. 

De acordo com recente estudo da Deloitte e McKinsey, 86% dos profissionais percebem o acesso a novas formas de aprendizagem como algo importante ou muito importante. Ainda na mesma pesquisa, líderes de grandes empresas relataram que novas abordagens de educação corporativa, com o uso de tecnologia e metodologias inovadoras, têm se mostrado bastante efetivas.

Diante de um mercado tão competitivo e volátil, é natural o crescente número de interessados em uma cultura de aprendizagem continuada já integrada ao ambiente de trabalho, que torne o processo de aprender ao longo da vida mais simples e natural.

Mas, afinal, o que tudo isso quer dizer? 

Quer dizer que o atual mercado de trabalho demanda, mais do que nunca, soluções educacionais digitais e metodologias inovadoras na educação corporativa. O mundo passa por uma transformação digital e é mandatório que a capacitação corporativa acompanhe o ritmo.

Hoje, alguns dos maiores desafios das lideranças são: 

  • Disseminação de conhecimentos estratégicos
  • Desenvolvimento de competências de seus times
  • Compartilhamento de boas práticas para a sustentabilidade do negócio  

Para vencer tais desafios, é essencial planejar as ações a serem tomadas, sempre conforme os objetivos do negócio. O ideal é criar uma atmosfera de aprendizagem, que encoraje e motive os colaboradores a se desenvolverem continuamente.

3 passos para estruturar uma boa estratégia em educação corporativa

  1. Revise o planejamento e os objetivos estratégicos de sua empresa
  2. Reveja as necessidades e metas da sua área, entendendo de que forma a capacitação pode contribuir para alcançá-las
  3. Estimule a contribuição de todos os colaboradores na escolha das melhores soluções e iniciativas educacionais 

A adoção dessas ações é importante, pois gerará maior eficácia e adesão em seu programa de T&D. Com um bom diagnóstico educacional e um planejamento bem estruturado, é possível ter clareza na execução das ações educacionais, medir o impacto dos resultados e, assim, projetar o crescimento sustentável das ações de capacitação corporativa.

Quer desenvolver um programa de T&D certeiro, com as melhores soluções educacionais para a sua organização? Fale com um especialista DOT e saiba mais!