Por Luiz Alberto Ferla, fundador e CEO do DOT Digital Group

Redução de custos, aumento das margens de lucro, satisfação dos funcionários e resultados de aprendizagem comprovados são os principais fatores que vêm impulsionando a adoção de soluções digitais para capacitação e treinamento por empresas. Além disso, a pandemia de Covid-19 acelerou ainda mais esse processo. O setor teve um crescimento histórico de 36,3% no ano passado, em razão de uma maior demanda em mercados emergentes, do crescimento natural do aprendizado móvel e, principalmente, da necessidade de distanciamento social. Os dados, levantados pela consultoria Global Market Insights, também mostram que o mercado mundial de e-Learning deve dobrar de tamanho antes do fim desta década, passando de cerca de US$ 250 bilhões em 2020 para US$ 499,1 bilhões em 2027.

No entanto, mesmo sem pandemia, é certo que o setor já tendia ao crescimento. Um levantamento pré-Covid-19 feito pela mesma organização já apontava que a indústria de aprendizagem online atingiria US$ 375 bilhões em 2026. O crescimento projetado estava apoiado, em grande parte, no fato de que as empresas que têm investido em educação digital começaram a verificar um aumento na receita por funcionário, margens de lucro maiores e redução dos custos com treinamentos.

O mercado global de aprendizado online corporativo representa uma importante fatia deste bolo. De acordo com o grupo de pesquisadores da organização americana Education Data, esse segmento deve crescer em média 15% ao ano entre 2020 e 2026, atingindo US$ 50 bilhões até o final deste período.

O uso de e- Learning já alcançou as empresas da Fortune 500 — lista anual da revista americana com as maiores corporações dos Estados Unidos por receita total. A publicação mais recente mostrou que quase 41,7%  delas já usa tecnologia para treinar funcionários. O Governo Federal dos Estados Unidos também é um grande consumidor deste mercado e, em 2019, adquiriu programas de educação digital individualizados no valor de US$ 2,2 bilhões, segundo dados do braço de e-Learning do Linkedin, Lynda.

Para se ter uma ideia dos ganhos reais que podem ser obtidos com  investimentos em treinamentos e capacitações online, cada dólar gasto por empresas em aprendizagem digital dá um retorno de US$ 30 em produtividade. O caso mais notório é o da IBM, que descobriu que o e-Learning a levou a ganhos substanciais na produtividade dos colaboradores, ajudando-os a retomar suas funções e aplicar suas habilidades recém-adquiridas com relativa rapidez e reduzindo o envolvimento gerencial na educação dos funcionários.

Outra vantagem é a redução nos custos. A IBM economizou cerca de US$ 200 milhões — quase 30% de seus custos originais de treinamento — com a migração para as capacitações online, e ainda descobriu que os funcionários aprenderam quase cinco vezes mais conteúdo no mesmo período de tempo, na comparação com o que era alcançado presencialmente.

Maior retenção de conhecimento, em menos tempo

A melhoria na retenção de conhecimento pode ser explicada porque o e-Learning fornece aos alunos a oportunidade de consumir informações em partes menores, aprender em seu ritmo preferido, revisitar o material de aprendizagem mais tarde e geralmente ter mais controle sobre todo o processo. De acordo com um estudo do Research Institute of America, o e- Learning aumenta as taxas de aprendizagem em 25% a 60%.

Outra vantagem é a redução no tempo de treinamento, algo que é especialmente crítico, pois pesquisas indicam que profissionais têm uma média de 24 minutos por semana para dedicar ao aprendizado. Além disso, essa falta de tempo dos funcionários para se dedicarem é vista como o desafio número um no desenvolvimento de talentos. De acordo com um estudo do Brandon Hall Group, o aprendizado online toma de 40% a 60% menos tempo do funcionário do que o treinamento tradicional em sala de aula.

A importância dos smartphones

A aprendizagem por meio de smartphones tem impactado positivamente os níveis de motivação e envolvimento dos alunos da educação digital, em razão da conveniência, da velocidade e da familiaridade com estes dispositivos. Os benefícios do aprendizado móvel estendem-se a melhorias no desempenho organizacional.

Uma pesquisa de 2015 da Asia-Pacific Skillsoft indicou que treinamentos e capacitações realizados desta forma impulsionaram os resultados de seus negócios: depois de adotar a aprendizagem móvel, 76% dos gestores identificaram que os seus times se tornaram mais eficientes e 55% admitiram melhores resultados. O mesmo estudo da Asia-Pacific Skillsoft também descobriu que 72% dos participantes relataram maior engajamento ao aprender por meio de um smartphone.

A conveniência de usar dispositivos móveis também auxilia na obtenção de uma maior taxa de concluintes. De acordo com uma pesquisa da Merrill Lynch, mais de 75% dos alunos consideram conveniência, economia de tempo e ausência de distração os principais benefícios do aprendizado móvel e 67% dos estudantes universitários dos EUA usam seus dispositivos móveis para concluir os cursos, enquanto 20% dependem exclusivamente deles.

O aprendizado online está rapidamente se tornando o modo preferido de aprendizado na academia, nas empresas e por alunos individuais, por todas as razões já descritas acima. Devido às rápidas mudanças das tendências da indústria, formar uma visão abrangente do estado atual deste setor pode ser difícil. Por isso, a reunião de todas estas estatísticas para explicar por que a educação digital veio para ficar.