Geração Beta e a aprendizagem: como diferentes gerações aprendem

A Geração Beta crescerá em um ambiente aonde a IA é onipresente, moldando profundamente suas vidas e seu modo de aprender.

Tempo de leitura: 7 minutos

O ser humano é um ser social, que tem os seus comportamentos moldados pelo meio no qual está inserido. Isso ocorre com a Geração Beta e com todas as outras também.

Diferentes épocas são marcadas por acontecimentos distintos. Fatores culturais, políticos, sociais e econômicos impactam diretamente no comportamento, na visão de mundo e na forma de aprender e se relacionar das pessoas. 

Portanto, é primordial entender fatores geracionais na hora de desenvolver um programa de educação corporativa. Isso ajuda a superar barreiras e otimizar a aprendizagem com base nas preferências e necessidades do seu público.

Quem é a Geração Beta e qual a sua relevância?

Ao falar sobre gerações, não existe uma resposta conclusiva sobre o ano exato em que começa e termina cada uma. Atualmente, a divisão mais aceita é:

  • Baby Boomers (nascidos entre 1946 e 1964)
  • Geração X (1965-1980)
  • Millennials / Geração Y (1981-1996)  
  • Geração Z (1997-2012)
  • Geração Alpha (a partir de 2012) 

Fonte: Beresford Research

Com base na ordem do alfabeto grego, tendo em vista que a última geração nomeada foi a “Alpha”, estima-se que a próxima será a Geração Beta

Essa geração ainda não está atuante no mercado, considerando que são os nascidos a partir de 2020. Porém, quando pensamos em planejamento estratégico no universo corporativo, antecipar-se é fundamental.

Prever os hábitos de consumo e preferências da nova geração pode fornecer aos profissionais, das mais diversas áreas, respostas assertivas sobre quais tendências seguir para manter os negócios relevantes. Para a área de capacitação corporativa não é diferente.

Por exemplo, o uso de tecnologia em processos de ensino e aprendizagem cresce mais a cada geração. Com a chegada da Geração Beta, em plena era da inteligência artificial, o uso de tecnologias educacionais é mandatório. 

A nova geração está crescendo em um ambiente aonde a IA é onipresente, moldando suas vidas de maneiras que ainda estamos começando a compreender.

Diferentemente das gerações anteriores — Millennials, Geração Z e Geração Alpha — a Geração Beta terá a IA como parte intrínseca de sua realidade, influenciando suas formas de pensar, aprender e interagir.

A IA está redesenhando o mercado de trabalho, eliminando empregos tradicionais, mas criando novas oportunidades. A Geração Beta precisará se adaptar a esse novo cenário, desenvolvendo habilidades criativas e colaborativas.

Trabalhar com resultados gerados pela IA se tornará uma competência essencial, contribuindo para uma economia mais inclusiva e inovadora.

Gerações que já estão no mercado de trabalho 

Cada geração apresenta características específicas, além de diferentes formas de pensar, agir e aprender, seja no âmbito escolar ou profissional. Conhecer essas características é essencial para  lidar de forma mais assertiva com o público de cada grupo geracional.

Baby Boomers

Nesse grupo, temos profissionais entre 60 e 78 anos, que apresentam características como a lealdade e o comprometimento, grande competitividade e foco em resultados. 

São pessoas que lidam com os avanços tecnológicos de forma mais gerencial do que aplicada à mudança de hábitos. Além disso, eles utilizam seus devices para fins mais tradicionais, como fazer ligações, trocar mensagens de texto ou navegar na internet.

Quanto às suas expectativas profissionais, geralmente são pessoas que buscam um emprego para a vida toda. Valorizam a ascensão profissional e prezam pela estabilidade financeira.

Esse público segue um raciocínio linear, focando na aprendizagem com início, meio e fim, como se fosse a leitura de um livro. Sendo assim, preferem ler e seguir programas de ensino mais tradicionais, e valorizam os treinamentos, principalmente os relacionados às novas tecnologias, estabelecendo uma relação de descoberta com elas. 

Geração X

São os profissionais com idade entre 44 e 59 anos, que prezam por estabilidade, independência e empreendedorismo. 

Costumar ter um perfil mais cauteloso e equilibrado, evitando tomar decisões precipitadas. Portanto, por vezes demonstram certa resistência à mudança.

No mercado de trabalho, buscam a ascensão profissional. Como estão a cada ano mais próximos da aposentadoria, querem aprimorar suas habilidades para conseguir resultados efetivos.

Adaptam-se rapidamente às tecnologias, mas preferem o consumo de informação de forma híbrida (online e offline). São aprendizes que valorizam a flexibilidade e a aprendizagem colaborativa.

Millennials ou Geração Y

A geração predominante no atual mercado de trabalho. Pessoas entre 28 e 43 anos, informais e imediatistas, que têm maior facilidade para assumir riscos e buscar recompensas tangíveis.

São conhecidos pelo potencial inovador, pela alta capacidade de multitasking e pela grande autonomia. Vivenciaram o momento de transição entre analógico e digital e, portanto, estão muito  conectados. No entanto, não abrem mão da comunicação ao vivo.

Em termos profissionais, estão sempre em busca de oportunidades melhores. Desejam ser tratados com igualdade, independentemente do nível hierárquico. Possuem grande criatividade e capacidade de inovar em suas carreiras.

Essa geração está acostumada com o grande fluxo de informações e as consome com facilidade e rapidez. Ademais, são multitarefas e gostam de aprender de maneira informal.

Geração Z

São os jovens entre 12 e 27 anos. Pessoas que arriscam, são muito realistas, competitivas e independentes. Um público que valoriza a consciência coletiva, deseja expor suas opiniões e busca por autenticidade.

Recém-chegados ao mercado de trabalho, são profissionais guiados por um propósito, que se preocupam com a razão de ser da empresa. Para eles, não existem fronteiras geográficas, não gostam de burocracia e preferem o sistema híbrido de trabalho e o anywhere office

Além disso, apesar de populares nas redes sociais, na vida real podem não trabalhar bem em equipe, por conta da sua forte característica de independência. Tomam decisões de forma ágil, querem rápida ascensão de carreira e apreciam feedbacks.  

Esse público conta com um raciocínio não-linear e consome informação principalmente via mobile, preferindo conteúdos visuais ou em áudio, como podcasts e vídeos curtos. 

Aprendem de múltiplas maneiras, são multifocais e convergem em diferentes plataformas. Por isso, a abordagem de microlearning, com cursos rápidos, autônomos e flexíveis funciona muito bem com eles.

Geração Alpha

O famoso “futuro da nação”. A Geração Alpha é composta por crianças de até 12 anos de idade, que ainda não ingressaram no mundo profissional. Contudo, são pessoas que apresentam grande potencial para o futuro.

 Esse público é bastante observador e atento, demonstra espontaneidade e autonomia. Além disso, tem um poder de adaptação muito acelerado

Interagem com a tecnologia desde o nascimento e são movidos por estímulos sensoriais — sobretudo os visuais, graças às mídias digitais, como YouTube e Instagram e apps de jogos e educação.

 

Aprendizagem na era da IA

A tecnologia avança a passos largos, e a inteligência artificial se integra rapidamente a todos os aspectos de nossas vidas. Se compararmos com a internet, que levou anos para se popularizar, a IA está transformando nosso cotidiano de maneira exponencial.

O impacto dessa transformação será especialmente profundo para a Geração Beta, que já nasce conectada. À medida que sociólogos e educadores começam a explorar as implicações dessas mudanças, fica claro que a Geração Beta será pioneira em um mundo de possibilidades infinitas

Alguns aspectos que podemos esperar da nova geração em termos de aprendizagem baseada em IA são:

Pensamento Inovador

Com a IA generativa à disposição, a Geração Beta terá acesso a um vasto leque de informações e ideias. Portanto, isso os incentivará a desenvolver hipóteses e criar novos conceitos. A capacidade de comparar e avaliar múltiplas perspectivas dará espaço a um pensamento mais crítico e abrangente. 

Educação Personalizada

A IA possibilita a criação de ambientes de aprendizado altamente personalizados, com conteúdo educacional adaptado às necessidades individuais. Sendo assim, isso proporcionará aos profissionais da Geração Beta uma experiência de aprendizagem mais equitativa e eficiente, incentivando a criatividade e o pensamento independente. 

Interações Sociais Redefinidas

A Geração Beta irá interagir com versões de si mesmas e de outras pessoas criadas por IA. Por exemplo, desde brinquedos que falam até personagens de desenhos animados que se tornam amigos, essas interações oferecerão novas formas de comunicação e companheirismo. No entanto, essa fusão entre o real e o virtual também levanta questões sobre privacidade, segurança e impacto na saúde mental.

Dos Baby Boomers à Geração Beta: diferentes formas de aprender 

Sabendo um pouco mais sobre as diferentes gerações e suas características, fica o questionamento: como capacitá-las? 

É preciso que as empresas aprimorem seus treinamentos para que se adequem aos mais variados perfis, de gerações diversas. Afinal, em um futuro próximo, é possível que grandes corporações tenham times formados por profissionais desde os Baby Boomers até a Geração Beta.

O desafio para os profissionais de T&D é enorme: escolher soluções educacionais que atendam às necessidades de um grupo tão heterogêneo é algo complexo. 

No entanto, com preparação e estratégia, é possível superar esse desafio e obter sucesso em programas de capacitação direcionados a grupos multigeracionais, tão comuns no mercado de trabalho atual. 

Confira 3 dicas valiosas para garantir o sucesso do seu programa de T&D nesse quesito:

  • Planejamento é tudo

Desenhe estratégias adequadas, com base em dados concretos e respeitando as características de cada geração.

Conhecer o seu público é fundamental. Independente da geração, é importante saber suas características, crenças, comportamentos e preferências. Isso trará clareza e assertividade na elaboração de um bom projeto educacional.

  • Personalize!

Considere as preferências, as motivações e os estilos de aprendizagem de seus colaboradores e utilize as ferramentas certas para as necessidades e objetivos deles.

 


Uma aprendizagem continuada corporativa bem-sucedida, para os profissionais da Geração Beta e das outras que estão por vir, dependerá de nossa capacidade de compreender e integrar as transformações tecnológicas, criando programas educacionais que preparem as gerações para os desafios e oportunidades que virão.

Conte com o DOT para desenvolver estratégias educacionais eficazes, impactantes para profissionais de todas as gerações. Fale com nossos Especialistas e saiba mais.