Game Of Thrones | Influenciando o mercado dos negócios Game Of Thrones | Influenciando o mercado dos negócios

A série Game Of Thrones (GOT) é um fenômeno mundial. Até a 6º temporada, mais de 7,7 milhões de telespectadores assistiram aos episódios, considerando os aparelhos ligados à TV ou nos serviços on demand. Essa popularidade movimenta diversos mercados, como o audiovisual, o gráfico (impressão de livros e quadrinhos), o de vestuário (comercialização de roupas, principalmente camisetas), o de games e tecnologias associadas (3D, realidade virtual e aumentada), o de turismo, entre outros. Confira neste boletim o que rola no universo GoT e as oportunidades que podem ser aproveitadas com esse mercado.

O seriado transmitido pela HBO é inspirado na série de livros “A song of ice and fire” (“As crônicas de gelo e fogo”, em português), escrita pelo americano George R. R. Martin. A adaptação para televisão foi feita por David Benioff e Daniel Brett Weiss. A série de livros contempla cinco volumes publicados e mais dois planejados para publicação. O seriado exibirá a sua sétima temporada em 16 de julho de 2017.

Game of Thrones é a série de maior audiência da televisão, capaz de se tornar, com a transmissão de um novo episódio, o assunto mais comentando nas redes sociais de todo o mundo. Para se ter uma noção, a audiência da série, se contabilizasse o número de downloads ilegais, ultrapassaria a da cerimônia do Oscar 2016, que alcançou 34 milhões de espectadores no canal aberto ABC.

A obra é uma das mais caras produções do canal HBO. O custo médio por temporada é de US$ 100 milhões.

O lucro operacional por temporada é de US$ 1,68 bilhão.

Os livros “As crônicas de gelo e fogo”, que fundamentam a série da HBO, tiveram um sucesso impressionante após a atenção dada pelo canal. Só nos EUA, foram 24 milhões de cópias vendidas. No mundo todo, são mais de 30 traduções.

Cada episódio da quinta temporada custou 8 milhões de dólares. Esse valor representa mais de 95% das produções de cinema no Brasil.

A sexta temporada tem o episódio mais caro da TV norte-americana: US$ 10 milhões.

Os brasileiros lideram o ranking de download da série. Entre 5 de fevereiro e 6 de abril de 2016 (última temporada), os episódios foram baixados aproximadamente 936.000 vezes no Brasil.

Desde a estreia, em 2011, Game of Thrones concorreu ao Emmy (prêmio considerado o Oscar da TV) de melhor série dramática em todas as temporadas

A série conquistou 12 Emmys em 2015. Essa é a maior quantidade de prêmios já recebida em única edição do Emmy.

No total, GoT recebeu 86 indicações ao Emmy nos últimos cinco anos e foi a vencedora em 26 delas

Cinco países já serviram de locação para a série: Croácia, Irlanda, Espanha, Canadá e Islândia. A escolha pelos diferentes países acontece devido às características de cada reino. Winterfell, por exemplo, é filmado na Irlanda do Norte. King’s Landing tem como locação a Croácia.

Winterfell seria em Curitiba, a capital mais fria do Brasil.

King’s Landing, ou Porto Real, a capital dos Sete Reinos, seria em Brasília.

Iron Islands seria em Florianópolis. A semelhança é a ponte Hercílio Luz, que liga a ilha ao continente.

Essa comparação foi feita pelo Carro de Aluguel em um infográfico divertido, que traz mais algumas comparações dos reinos de Westeros com o Brasil.

O termo valiriano Valar Morghulis, que significa “todos os homens devem morrer”, representa muito a série. Todo fã de GoT sabe que George R.R. Martin não poupa vidas, e não importa se o público gosta do personagem ou não. Um levantamento feito pelo jornal The Washington Post antes da sexta temporada mostrou que a série já tinha levado a óbito 704 personagens (incluindo figurantes e animais).

A temporada que mais teve mortes foi a quinta: um total de 246

A série da HBO vai para a sétima temporada em 2017 e já ultrapassou o número de livros publicados, que serviram de inspiração. O autor dos livros, George R. R. Martin, já contou aos produtores da série como serão os finais que pretende dar aos personagens, caso aconteça alguma coisa com ele antes de escrevê-los.

Os fãs de GoT estão inseridos no público chamado de geek, ou o tradicional nerd. Esse público é caracterizado pela fidelidade que tem em relação às marcas e aos personagens. São apaixonados por quadrinhos, games, séries, filmes e tecnologia, e veem nos produtos e marcas escolhidos parte de sua própria identidade pessoal.

Quantidade de horas online*:

estão online ao menos 6 horas por dia

consideram que ficam online enquanto estão acordados

Motivo para estarem conectados:

para se divertir

para trabalho

para se informar

outros

O que fazem nas horas livres:

ficam conectados à internet

jogam games

assistem à tv

estudo ou leitura

outros

Suporte em que jogam games*:

jogam mobile

em consoles

em computador.

Dados da pesquisa realizada pelo Omelete e pelo Ibope CONECTA em 2016, sobre os hábitos e o perfil do consumidor geek.

Quanto à preferência por séries, de acordo com a pesquisa Ibope, GoT está em primeiro lugar:

Game of Thrones

Stranger Things

Stranger Things

Na pesquisa realizada pelo professor de Cinema e Audiovisual da ESPM Pedro Curi, GoT também aparece como líder, reafirmando a série como preferida dos brasileiros.

Game of Thrones

The Big Bang Theory

Friends

Breaking Bad

Orange is the New Black

Os geeks possuem um alto poder de compra e estão dispostos a investir em produtos que são inspirados nas suas séries preferidas. Lojas físicas e e-commerce especializados nesse público-alvo podem oferecer objetos para colecionadores, bonecos toy art, quadrinhos, games, canecas e as queridinhas dos geeks: as camisetas. Mas não basta abrir o negócio; é necessário conhecer o consumidor, seus gostos e preferências, assim como conhecer a fundo a história do produto ou o serviço que esteja oferecendo. É preciso estar sempre atento às novidades desse mercado. Uma oportunidade para acompanhar e conhecer esse público é a participação em feiras e eventos do ramo, como a Comic Con.

O evento reúne um público enorme, que busca novidades sobre o mundo geek (séries, filmes e quadrinhos). Na edição de 2016, em São Paulo, estiveram presentes 180 mil pessoas, ultrapassando o público presente nas outras 40 edições que aconteceram ao redor do mundo no mesmo ano. No evento em São Paulo, os expositores faturaram o equivalente a R$ 18 milhões. Em 2017, a Comic Con no Brasil aconteceu pela primeira vez fora de São Paulo - foi em Recife/PE, no mês de abril.

Como vimos, o público amante de séries se diferencia do mero espectador, pois está constantemente em busca de produtos e serviços relacionados. Além disso, também pode ser responsável por desenvolver conteúdos, muitas vezes baseados em lacunas abertas nas histórias. Por exemplo, teorias sobre o futuro dos personagens ou fatos do passado que explicam algum acontecimento que movimentou os episódios.

Esse comportamento gera oportunidades significativas para as empresas. Aquelas que adaptam seus negócios, levando em consideração esses consumidores, conseguem manter um público assíduo, fiel e engajado.

O público de geeks, nerds e congêneres é um mercado potencial não somente no eixo Rio-São Paulo, mas em todo o Brasil. Além disso, são influenciadores capazes de atrair muitos consumidores entrantes.

Florianópolis reúne um público entusiasta de tecnologias e games. A cidade é um polo tecnológico e também estudantil. Além disso, é um dos maiores desenvolvedores de games do país.

A capital catarinense também ficou em primeiro lugar no ranking da Amazon das cidades mais geeks do país em 2016, seguida por Niterói/RJ e Santana do Parnaíba/SP. Em 2015, a cidade de Rio Claro, no interior de São Paulo, ficou com o título.

O mercado de educação é altamente beneficiado com a introdução de elementos baseados nas séries. A tecnologia favorece e potencializa essas ações. Imagine um game educacional que projeta contextos de aprendizagem utilizando como cenário os sete reinos do continente de Westeros (nome dado ao continente fictício da história do Game of Thrones). Essa estratégia pode ser utilizada tanto para instituições de ensino como para treinamento corporativo, tornando o ensino mais “divertido” e atraente.

Na série, a frase “The winter is coming” (“O inveno está chegando”) é bastante conhecida pelos fãs. O aviso é usado para alertar sobre os perigos que acompanham o inverno das Crônicas de gelo e fogo, como a chegada dos caminhantes brancos, os seres mais temidos de Westeros. Na realidade dos negócios, a mesma afirmação pode ser utilizada para a sobrevivência em cenários instáveis, como a atual economia. Unir ferramentas de marketing a recursos tecnológicos é uma estratégia para mensurar de forma mais rápida e otimizada grandes volumes de dados, obtendo resultados precisos para a tomada de decisões. Para conseguir atrair esse público, estratégias utilizando como base a trama de Game of Thrones podem ser o complemento para garantir a audiência.

www.dotgroup.com.br