[Entrevista] Employee Experience: o novo RH como designer de experiências

Employee Experience é o conceito coloca as pessoas no centro das empresas e proporciona uma vivência significativa de trabalho aos colaboradores. A educação corporativa e tecnologia são fundamentais para garantir resultados positivos.  Neste contexto, o nosso CEO, Luiz Alberto Ferla, conversou com Kelly Rickes, General Manager of Design and Culture for Latam , da TIVIT, sobre Employee Experience e como a TIVIT tornou o seu colaborador o protagonista no desenvolvimento da sua carreira.

 

O que a TIVIT tem feito em Employee Experience?

Canais de informação e a Geração Y

Estudo de Personas

Employee Experience e o Estudo de Personas

Colaborador protagonista no desenvolvimento da sua carreira

 

Confira a entrevista completa aqui.

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT

Case TIVIT – Estudo de Personas para a Educação Corporativa

Presente no mercado há mais de 20 anos, a TIVIT é uma empresa multinacional brasileira de soluções digitais com operações em 10 países da América Latina. Apoia seus clientes na evolução de seus negócios por meio de soluções digitais divididas em 3 linhas de negócios: Digital Business, Cloud Solutions e Tech Platforms (Digital Payments). A TIVIT é a oitava entre as dez maiores empresas da América Latina. Além disso, cem das quinhentas maiores empresas do Brasil contam com a TIVIT como parceira tecnológica para trazer eficiência e inovação para seus negócios.

DESAFIO

Analisar os comportamentos e identificar os perfis dos colaboradores das 10 Academys da TIVIT com o objetivo de melhorar a comunicação e a adesão em Educação Corporativa.

SOLUÇÃO 

A TIVIT contou com o MarTech do DOT para a realização de um Estudo de Personas

A metodologia contou com Ciência de Dados, pesquisa qualitativa para coletar informações comportamentais e a análise especializada dos estrategistas do DOT.

Além de definir as Personas, o estudo também apontou insights para a Educação Corporativa da TIVIT.

RESULTADO

O estudo realizado trouxe dados concretos e alinhados com a jornada de aprendizado de cada colaborador, resultando na criação de 16 personas. Com isso, surgiram várias oportunidades, como:

 

  •  Conhecer o perfil de cada grupo de colaboradores da TIVIT Brasil e TIVIT Latam;
  •  Ajustar conteúdos dos cursos aplicados nas Academys;
  •  Aplicar diferentes estratégias de capacitação, de acordo com o perfil de cada persona;
  •  Analisar oportunidades de ampliação e inovação dos canais de comunicação internos;
  •  Analisar questões motivacionais que contribuem no momento de decisão de matrícula e conclusão dos cursos oferecidos;
  •  Compreender o comportamento de consumo dos cursos, como: melhores horários para estudo, o tempo dedicado por dia, quais os devices mais utilizados etc. 

Depoimento

Veja no vídeo abaixo o depoimento de Kelly Rickes, General Manager of Design and Culture for Latam da TIVIT, contando como foi a experiência de realizar um Estudo de Personas com os colaboradores e os resultados que essa ação tem trazido para a empresa.  Aproveita e confere a entrevista completa sobre Employee Experience: o novo RH como designer de experiências.

 

Fale com um especialista em EdTech, clique aqui.

 

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT

[Case SENAR] Realidade virtual na educação: um mundo de possibilidades sem sair da sala de aula

Muito comum em videogames, a realidade virtual vem ganhando espaço nas plataformas de tecnologias educacionais, tanto para o ensino formal quanto para capacitação profissional.

Aprendemos melhor quando vivenciamos experiências. Por isso, os simuladores se mantém como grande tendência no mercado de tecnologias para educação. De acordo com International Data Corporation (IDC), a expectativa é de que US$ 22,5 bilhões serão investidos em 2025 na realidade virtual voltada para a educação. “A imersão proporcionada por plataformas de realidade virtual abre um mundo de possibilidades sem a necessidade de sair da sala de aula, seja na escola ou no trabalho”, destaca Luiz Alberto Ferla, CEO e fundador do DOT digital group. 

Em agosto, o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) de Goiás vai começar a usar um simulador na disciplina de Mecanização Agrícola. A solução, desenvolvida pelo DOT, funciona com um computador e um óculos de realidade virtual e simula uma oficina mecânica para tratores agrícolas. No ambiente, serão feitos exercícios de manutenção dos sistemas de lubrificação, arrefecimento e filtro de combustível. De acordo com Samantha Leandro de Sousa Andrade, responsável pelo projeto no SENAR, a ferramenta deve gerar economia de insumos como óleos, filtros e peças em geral. 

A redução de custos é só um dos benefícios da aplicação de realidade virtual em plataformas de educação. Do ponto de vista educacional, os simuladores de ambientes e atividades do mundo real também proporcionam maior segurança aos alunos ao eliminar riscos de operação. “A realidade virtual evita riscos, além de promover a execução prática de 100% dos alunos de forma rápida e muito didática”, destaca Samantha. Um piloto da solução foi apresentado em uma feira em Rio Verde (SP) e chamou a atenção de quem testou, comprovando o alto índice de engajamento da realidade virtual. 

Segundo Samantha, historicamente, o treinamento de tratores agrícolas sempre foi o produto mais executado pelo SENAR em Goiás, pela versatilidade e funcionalidade da máquina em quaisquer atividades do campo. Em 2018 foram realizados mais de 347 treinamentos, envolvendo 4.000 pessoas, em dois níveis de capacitação: aperfeiçoamento (24 horas) e qualificação (200 horas). Neste ano, a instituição já realizou 188 treinamentos com 2.222 pessoas treinadas nos mesmos formatos. 

Pesquisas indicam que o SENAR está na direção certa. A edtech Sponge UK comparou três formatos de conteúdo: PDF, jogos e realidade aumentada. O resultado mostrou que a capacidade de absorção do conteúdo é maior com a realidade aumentada. Os alunos também elegeram a RV como a mais divertida, satisfatória e com maior poder de concentração. “As novas gerações demandam métodos de educação que favoreçam os sentidos de audição, tato e visão ao mesmo tempo. Estratégias de realidade virtual caem como uma luva para esse público, que exige cada vez mais motivação para se engajar ao aprendizado”, observa Ferla. 

No DOT, tecnologias de immersive learning (aprendizado de imersão) vem sendo cada vez mais aplicadas nas soluções contratadas por clientes. São duas as razões principais, segundo Ferla, e ambas estão interligadas. A primeira é criar uma “sala de aula” que, ao mesmo tempo, transforma e une a realidade (RA) e o mundo virtual (RV), um ambiente capaz de tornar a experiência de aprendizagem mais envolvente. A outra razão é fazer com que o conteúdo repassado seja fixado por mais tempo, tornando o treinamento mais dinâmico e eficaz. “Todos os caminhos apontam o immersive learning como a educação do futuro”, afirma o empresário.

 

Este artigo foi publicado também no portal Infor Channel.

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT

A aplicação de Inteligência Artificial nas empresas

Estamos vivendo na era da revolução digital, onde todos os dias surgem novos conceitos e tecnologias para movimentar pessoas e negócios. A Inteligência Artificial é uma delas e vem sendo aplicada com frequência! 

Entende-se como Inteligência Artificial o fato de as máquinas conseguirem pensar como seres humanos, aprendendo a raciocinar, analisar e tomar decisões. Situação que ainda preocupa muita gente, por imaginarem que os robôs substituirão pessoas, mas o cenário não é bem esse. 

Pesquisa realizada pela Gartner prevê a criação de empregos relacionados à Inteligência Artificial (AI), chegando a 2 milhões de novos postos de trabalho em 2025.

Svetlana Sicular, Vice-Presidente de Pesquisas do Gartner, afirma que a Inteligência Artificial vai melhorar a produtividade de muitos empregos, eliminando milhões de posições de nível médio e baixo, mas também criará milhões de novas posições de habilidades altamente qualificadas, gerenciamento e até mesmo a variedade de nível de entrada e baixa qualificação.

Embora o mercado de inteligência artificial seja dominado por grandes empresas, os pequenos negócios também podem encontrar oportunidades na criação de novas soluções com a tecnologia, principalmente por meio de startups.

Aplicações de Inteligência Artificial

  • Recomendação de produtos

Sistemas que identificam o perfil do consumidor e indicam produtos que o cliente quer

comprar, mesmo que ele ainda não tenha procurado por isso. Em uma loja de roupas, por

exemplo, a solução pode escanear o corpo do comprador e analisar as melhores opções

de roupas para ele.

  • Divulgação de produtos

Solução que identifica o interesse do consumidor em determinado produto e gera ações

de marketing que fazem com que o produto pesquisado continue aparecendo em outros

sites que esse consumidor navega.

  • Bots que atuam como secretárias

O bot pode agendar reuniões identificando as pessoas envolvidas e os horários disponíveis

na agenda de cada um deles. Esse é um exemplo real da Amy Ingram, bot da empresa

x.ai.

  • Recrutamento e seleção

A inteligência artificial permite que seja feita uma análise aprofundada dos candidatos a

determinada vaga, a fim de identificar aquele que é mais adequado.

  • Bots para atendimento ao cliente

Softwares automatizados que conseguem se comunicar com o cliente, via texto ou via

telefone. Seu aprendizado permite que eles compreendam o contato, interpretem a melhor

maneira de conversar com ele e adaptem a comunicação, por exemplo.

Confira algumas vantagens da utilização de IA nas organizações:

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT

As EdTechs são a bola da vez

“Até 2030 as maiores empresas na internet serão de educação.” A declaração do futurista Thomas Frey, feita há dois anos, parece ter reverberado no Brasil. As empresas de EdTech (Education Technology) são destaque em mapeamento realizado pela Associação Brasileira de Startups, encabeçando a lista de segmentos com maior número de negócios. São 364 startups (7,8% do total), mas o número está longe de expressar todo o potencial deste mercado. A China que o diga. Só a capital Pequim tem 3.000 EdTechs, segundo levantamento da Native Ventures. “O caminho do Brasil como nação é investir em educação e a tecnologia é uma aliada imprescindível para ganharmos escala”, afirma Luiz Alberto Ferla, fundador e CEO do DOT digital group, referência em EdTech. Na entrevista a seguir, o empresário fala por que acredita que as EdTechs são a bola da vez.

Como você vê o crescimento do mercado de educação e tecnologia?

Luiz Alberto Ferla – Todo o universo digital cresceu muito nos últimos anos. As maiores empresas do mundo, Amazon, Apple, Google, são focadas em tecnologia. Na área de educação também tivemos grande impacto do meio digital. Hoje, todas as grandes instituições de ensino têm EaD. A expectativa é de que no máximo em dois anos o número de alunos fazendo graduação via internet seja maior do que presencialmente. Essa transformação ocorre não apenas no ensino formal, mas também na educação corporativa, com o uso de plataformas tecnológicas para treinamento.

Pesquisa da ABRStartup mostra que existem 364 startups em EdTech no Brasil. É o maior número entre todos os segmentos. As EdTechs são a bola da vez?

Ferla – Eu acredito muito neste mercado. Não poderia ser diferente, pois estou há 23 anos nele. Meu primeiro cliente foi o Instituto Friedrich Naumann, da Alemanha. Em seguida, fiz para o Sebrae Nacional um curso virtual sobre empreendedorismo no final da década de 90, época em que o acesso à internet ainda era discado e para poucos. Mesmo assim, algumas horas depois da divulgação, as 2.500 vagas estavam esgotadas. O potencial do mercado brasileiro é muito grande. Primeiro, porque sempre teremos pessoas ingressando na educação formal, e, segundo, porque cada vez mais as corporações exigem profissionais mais atualizados. 

Como a tecnologia entra nesse processo?

Ferla – Um País como o Brasil, com muitas deficiências na educação, só conseguirá fazer os investimentos necessários e ganhar escala com tecnologia. É a tecnologia que vai ajudar o Brasil a melhorar seu nível educacional e, consequentemente, a produtividade e a competitividade. As grandes potências mundiais são os países que investiram muito em educação. Coreia do Sul e Singapura, que estão se destacando muito hoje, eram mais pobres que o Brasil há 50 anos. Elas se transformaram porque investiram em educação. Esse é o nosso caminho como nação. 

Como você vê esse avanço no meio corporativo?

Ferla – As pessoas que quiserem se posicionar melhor profissionalmente terão que se atualizar constantemente. Da mesma forma, as empresas que buscarem maior competitividade terão que investir na capacitação de seus times. Hoje, temos inúmeras tecnologias que permitem fazer esses treinamentos em grande escala e com alto potencial de engajamento dos colaboradores e com resultados até melhores que os presenciais. 

Os profissionais e os dirigentes do país e das empresas estão conscientes dessa necessidade?

Ferla – Acredito que cada vez mais. É um investimento para sempre e com retorno garantido. A educação não é um produto perecível que deixará de existir. O meio de ensinar pode mudar conforme a tecnologia avança, mas a educação sempre será essencial para o indivíduo, para as empresas e para as nações.

 

 

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT

Da webconferência ao immersive learning

Há exatos 23 anos decidi apostar minhas fichas na criação de uma empresa especializada no desenvolvimento de tecnologias para a educação. Era 1996, o ensino a distância (EAD) dava importantes passos no Brasil com as primeiras aulas pela internet. Hoje, refletindo sobre o tempo que passou, me surpreendo com o tamanho da evolução das tecnologias de ensino. Saímos da webconferência e chegamos ao immersive learning, modelo que transporta o aluno para fora da sala de aula, com ambientes e recursos virtuais que levam o aprendizado a um nível inimaginável nos anos 90. Ao mesmo tempo, vislumbro o avanço que ainda nos aguarda e tenho certeza de que chegará numa velocidade fascinante. 

Quando comecei, era um estudante de mestrado da Universidade Federal de Santa Catarina e estava vislumbrado com a possibilidade de as pessoas aprenderem via web. Vi o primeiro laboratório de educação a distância nascer, na UFSC, e participei das primeiras ações, especialmente a produção de cursos com aulas a distância. O MEC havia criado a Secretaria de Educação a Distância com o objetivo de apoiar a política de democratização do ensino no Brasil. Eram tempos bem diferentes. Em 1996, o Google e o YouTube ainda não existiam, não havia comércio eletrônico, as redes sociais eram grupos de chat e a web tinha 7,5 mil domínios. Hoje são mais de 4 milhões. 

A evolução da tecnologia para educação (EdTech) seguiu o mesmo ritmo da inovação digital. Smartphones, tablets, aplicativos, touch screen, inteligência artificial, realidade aumentada, realidade virtual e realidade mista: uma série de transformações tecnológicas tornaram as máquinas mais inteligentes e, principalmente, mais democráticas, conquistando uma legião de usuários. Já somos mais de 4 bilhões de pessoas conectadas – 53% da população mundial. Nas Américas esse percentual é de 73%. Todas essas pessoas têm a sua disposição uma infinidade de conteúdos, parte feita exclusivamente com foco em educação. O YouTube Edu, por exemplo, tem mais de 362 mil inscritos. 

As novas tecnologias não só ajudam a democratizar o conhecimento como fazem as pessoas se engajarem melhor nos estudos. Quem ensina sabe que, cada vez mais, as novas gerações demandam didáticas inovadoras para se manterem atentas. Em uma aula de artes plásticas, por exemplo, o professor já pode levar seus alunos ao Museu do Louvre sem sair da escola, graças à realidade virtual e aumentada. São tecnologias que também permitem ao estudante simular a troca de óleo de um trator agrícola, como se estivesse em uma oficina. É a teoria dando espaço à prática de forma muito mais fácil e sem riscos. 

Nesse novo cenário, o professor não é substituído. Pelo contrário, as novas dinâmicas oferecidas pela tecnologia conferem cada vez mais aos mestres a função de mentor, ou seja, um profissional que orienta o aprendizado. No Brasil, o número de graduandos do modelo de ensino a distância já é maior do que o de cursos presenciais e isso vem acontecendo de forma significativa no mundo inteiro. Não é à toa que a EdTech está no radar dos gigantes da tecnologia, como Google, Microsoft, Amazon e Facebook. Investidores também estão atentos, aumentando a capitalização de EdTechs. A tecnologia está transformando a educação e acelerando a vida das pessoas e, ainda, há muito espaço para inovação. Quem viver verá.

 

 

Por Luiz Alberto Ferla, CEO e fundador do DOT digital group

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT

Educação e Internet das Coisas

Que a internet trouxe consigo grandes oportunidades para a educação é algo que não precisa mais ser discutido nos dias atuais. A revolução digital que se intensificou na década de 2000 também representou uma série de inovações educacionais, como novas modalidades de ensino a distância, incluindo tendências mais atuais, como o blended  learning e o microlearning.

Mas a inovação tecnológica, por definição, nunca para. Se pensarmos em quais mudanças estão próximas, no que diz respeito à internet e que representam grandes impactos na educação, não podemos deixar de pensar na Internet das Coisas, ou Internet of Things (IoT). Michael Porter, da Harvard Business School, afirma que esta tendência consiste na “mudança mais substancial na produção de bens desde a Segunda Revolução Industrial”.

E para entender esse conceito é útil retomar à história da internet. Vamos lá!

As eras da internet

A Web 1.0, originária em 1996, significou conteúdo publicado para usuários que utilizavam  PCs. A Web 2.0, em meados de 2005, trouxe o conceito de social media, com usuários também como produtores de conteúdos em blogs. Por volta de 2014, começou-se a falar na Web 3.0, que trouxe a ubiquidade: várias máquinas conectadas (smartphones, tablets, smart TVs etc.) e tratando dados. E agora vemos uma nova mudança. A Web 4.0, em que participam decisivamente: a) a inteligência artificial; b) um volume gigantesco de dados contextualizados; e c) a integração de outras máquinas, além de dispositivos digitais.
A Internet das Coisas tem esse nome porque produtos eletrônicos, coisas, poderão acessar a web, coletar e tratar dados de forma considerada inteligente. Enquanto hoje interagimos com notebooks e smartphones, na Web 4.0 também lidaremos com carros inteligentes, roupas com sensores de saúde, tutores virtuais que dialogam com o aluno, casas (ou escolas) com sensores para leitura dos comportamentos das pessoas em seu interior, robôs que ajudam a cuidar de idosos, etc.

O que vem pela frente

Na Web 4.0, a IoT se torna possível conectando produtos eletrônicos e digitais em uma rede onde mesmo a fonte de energia é planejada para ser inteligente e sustentável. 

O governo federal brasileiro já demonstrou sinais de interesse, tendo lançado em junho de 2019 o Plano Nacional de Internet das Coisas, que envolve a criação de uma câmara interministerial (abrangendo educação, saúde, tecnologia, agronegócio etc.), para fomento de inovações relacionadas à IoT no Brasil.

Internet das Coisas e Mudanças na Educação

No que diz respeito ao impacto da IoT na educação, ficamos sabendo pelo manifesto do evento Internet of Things Week de 2017 que uma das premissas fundamentais para o sucesso da IoT é “Identificar e apoiar a tendência crescente de uso de tecnologias IoT na educação”.

Já o relatório oficial o BNDES destaca aplicações da IoT para o Brasil, de imediato, na indústria de base (fábrica e agronegócio) e também na saúde. Depois das áreas técnicas diretamente envolvidas com a criação da IoT, a formação de profissionais de saúde será a primeira impactada pela IoT. O que demanda, segundo o BNDES, “reconhecer Informática em Saúde como uma área de conhecimento por parte dos órgãos de educação” (p. 33). 

Pensando no médio e longo prazo, a IoT demanda também despertar o interesse dos jovens pela inovação tecnológica: “Apoiar e estimular movimentos para expandir a adoção de programação, robótica e uso de sensores no ensino médio de escolas públicas e privadas” (p. 31).

Immersive Learning

A IoT transformará escolas em grandes laboratórios, onde alunos poderão interagir e projetar interações das mais variadas. A Educação será mais empírica, centrada em projetos e demandando criatividade, colaboração e comunicação. E dada a ubiquidade da Web 4.0, a educação definitivamente não estará restrita ao espaço físico das escolas.

A Microsoft vem popularizando o termo “Immersive Learning” para designar essa experiência Web 4.0 na Educação. O termo faz alusão ao caráter experiencial do aluno imerso no conhecimento. Fazem parte hoje do Immersive Learning iniciativas como a Realidade Virtual para treinamentos; a Realidade Aumentada nas escolas; mesas interativas; Realidade Mista para tornar ambientes inteligentes; jogos educativos e ensino gamificado; etc.

Dentro de alguns anos também farão parte corriqueira dessa mudança coisas como tutores virtuais capazes de efetivamente dialogar com alunos; instalações eletrônicas que responderão a comandos de professores para exibir conteúdos ou promover avaliações; e mesmo robôs projetados por crianças e adolescentes.

Meu convite

A IoT ainda não é uma realidade nos lares brasileiros. Mas venha conhecer o que o DOT digital group já possui, hoje, em relação ao Immersive Learning, e conversar com nossos especialistas a respeito de como a Web 4.0 mudará a Educação.

 

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT

[Opinião] Como o MarTech ajuda as empresas a venderem

Mais de 60 bilhões de mensagens enviadas pelo WhatsApp, 6,2 bilhões de vídeos assistidos e 5,7 bilhões de pesquisas feitas no Google. Em um ano? Não, em um único dia. Os dados são do portal Internet Live Stats, que acompanha online o tráfego de informações na internet. Esse gigantesco volume de dados dá a dimensão do quanto é imprescindível às empresas usar a tecnologia para encontrar e conversar com os seus clientes no mundo online. E vender, é claro.

Esta integração do marketing com a tecnologia deu origem ao que chamamos de MarTech (Marketing Technology), sem o qual seria impossível filtrar e analisar o vasto oceano de dados online. As ferramentas de MartTech tornam possível definir e monitorar estratégias customizadas de abordagem, vendas e fidelização. Entre elas, a prospecção dos clientes, a escolha dos canais mais adequados de contato com eles, a linguagem para cada público-alvo e a mensuração dos resultados por ação.

O principal diferencial do MarTech em relação às ferramentas tradicionais do marketing é que ele permite fazer quase tudo em tempo real, potencializando o retorno do investimento. Esse fator faz toda a diferença porque ajuda o gestor a tomar decisões de forma mais ágil, criando ações precisas para que a resposta do consumidor também seja rápida. Por último, caso as estratégias não estejam sendo bem-sucedidas, é possível fazer a correção de rumos sem perda de tempo e dinheiro.

Um setor que tem se beneficiado do MarTech é o de instituições de ensino superior. Sem ciência de dados e big data seria praticamente impossível identificar potenciais alunos e impactá-los de forma direta e customizada. O MarTech permite, por exemplo, não só oferecer uma determinada universidade a um candidato, mas o curso mais aderente ao seu perfil com uma mensagem personalizada e, portanto, com potencial altamente efetivo. O resultado é uma ação de microtargeting, com uma sensível redução de investimento de captação de alunos.

Recentemente, uma pesquisa da consultoria Gartner mostrou que as áreas de marketing de empresas dos Estados Unidos e do Reino Unido aplicaram pela primeira vez em 2018 um percentual maior de seus orçamentos em tecnologia (29%) do que em salários (24%). O fato é reflexo de uma corrida para entender os dados sobre a experiência do cliente. A questão é que dados são apenas dados sem os cientistas que extraem inteligência de suas análises. O consenso é de que o sucesso das estratégias de marketing e vendas depende cada vez mais da sinergia entre equipe e tecnologia.

 

 

Luiz Alberto Ferla, CEO e fundador do DOT digital group

 

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT

Case SENAR | Por dentro de um projeto de Realidade Virtual

A Realidade Virtual é uma grande aliada na hora de aprender e ensinar. Nesta websérie você acompanhará todos os processos que o nosso artista 3D, Lucas Silva, utilizou para criar um objeto 3D para o game de realidade virtual do Senar Goiás.

APRESENTAÇÃO

CRIAÇÃO DO OBJETO – MODELAGEM POLIGONAL

CRIAÇÃO DO OBJETO – MAPEAMENTO EM UV

CRIAÇÃO DO OBJETO – CORES E TEXTURAS

TESTANDO O GAME

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT

[Na mídia] Perspectivas 2019: Cresce confiança do setor de TI em SC no crescimento econômico do país

A postura liberal acenada pelo novo governo gera otimismo entre empresários do setor de tecnologia em Santa Catarina, que espera para 2019 a redução da burocracia em questões chave, como exportação, tributação e abertura de novos negócios. Além do apoio ao empreendedorismo, representantes do setor esperam que o setor público invista mais em soluções de tecnologia, como forma de qualificar serviços.

Diretor de mercado da Dígitro Tecnologia, Octávio Carradore (foto), acredita que as recentes alterações no contexto político podem ser um indicativo de melhorias em âmbito econômico. “Enxergo o mercado muito mais otimista com a possibilidade de concretização dos investimentos que, até então, estavam represados. O governo é responsável por uma expressiva parcela da economia do país. Ainda que muitos ajustes sejam feitos, acredito que iremos ver adaptações sendo realizadas, também, nas empresas”, afirma.

O uso da inteligência artificial, na opinião do executivo, também pode gerar novas oportunidades de mercado. “Falamos muito sobre inteligência artificial e internet das coisas, por exemplo, e isso ocorre pela maturidade do mercado e pelo aumento de demandas. As tecnologias precisam atender às nossas necessidades, mas sem esquecer de garantir o sucesso no relacionamento com o cliente”, opina Carradore.

ANO DE RETOMADA?

Na visão de Luiz Alberto Ferla, CEO e fundador do DOT digital group, 2019 sinaliza ser o ano da retomada:

“Mesmo que gradual, a volta do crescimento econômico, favorecerá a geração de empregos e o fortalecimento das empresas. Acreditamos firmemente que novos tempos se aproximam, propiciando investimentos em tecnologia, inovação e educação”, afirma Ferla.

 

Empresa do setor de tecnologia para educação (EdTech), o DOT digital group capacitou mais de cinco 5 milhões de pessoas em cursos desenvolvidos tanto para instituições de ensino quanto para empresas como Honda, Natura, Tivit, Engie e Santander. Para 2019, aposta na internacionalização dos serviços.

“Nesse novo cenário político e econômico, será ainda mais decisivo o investimento em educação corporativa com o uso de novas tecnologias”, destaca.

EQUILÍBRIO FISCAL PARA IMPULSIONAR EMPREGOS

O empresário Gérson Schmitt (foto), fundador da Paradigma Business Solutions, confia na adoção de medidas mais rigorosas para garantir maior equilíbrio fiscal das contas públicas. Com a mudança desse cenário, Gérson acredita que será possível gerar um ambiente de atração de investimentos capaz de impulsionar a geração de empregos e a arrecadação de impostos.

“O crescimento da segurança jurídica e da ordem e segurança dos cidadãos, juntamente com a redução da pressão e da burocracia sobre as empresas, deve estimular novos empreendedores”, afirma Schmitt. O reflexo disso, segundo o executivo, será a atração dos investimentos necessários em inovação para que o país e as empresas brasileiras possam ganhar produtividade e competitividade.

 

AGRONEGÓCIO: IMPULSO PARA A TECNOLOGIA

A Confederação da Agricultura e Pecuária no Brasil (CNA) fez uma projeção de crescimento de 2% no PIB do agronegócio em 2019, frente a previsão de queda de 1,6% para 2018. Essa perspectiva deve influenciar processos de adesão das empresas a novas tecnologias. Segundo Bernardo de Castro (foto), presidente da divisão de agricultura da Hexagon, os gestores e empreendedores agrícolas estão em busca de soluções que conectam, sincronizam e otimizam todos os processos do campo.

“Há muitas tecnologias que não se conversam e processos que não interagem da melhor maneira, comprometendo os resultados. Como toda indústria, o campo precisa de processos integrados e eficientes para produzir mais com menos”, explica Bernardo. A Hexagon desenvolve em Florianópolis soluções digitais que vão desde o planejamento para o cultivo até a colheita e o transporte de matéria prima.

 

Matéria publicada originalmente pelo portal SC Inova

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT