Direto de Portugal: DOT transmite via internet seminário sobre tendências de EdTech

Na próxima terça-feira, 26, o DOT realiza em Lisboa, Portugal, um seminário sobre as principais tendências de educação tecnológica para formação corporativa. O evento será transmitido via streaming das 7 às 9 horas da manhã (horário de Brasília). Para assistir, é preciso se inscrever, sem custos, neste link .

Durante o seminário, o DOT vai lançar a joint venture luso-brasileira DOT | Vantagem+. O evento é uma oportunidade para profissionais de desenvolvimento organizacional conhecerem as principais ferramentas utilizadas pela edtech para criar engajamento e efetividade nos treinamentos: Game Thinking e Gamification, Microlearning, Mobile Learning, Video e Social Learning, Big Data, Inteligência Artificial, Realidade Virtual e Realidade Aumentada e B-Learning.

Grandes clientes – O DOT digital group é uma das maiores empresas de educação digital do Brasil. A empresa, criada em 1996, conquistou grandes clientes como Santander, TIVIT, Sicoob, C&A, ENGIE, Natura, Algar Tech, Honda e Tokio Marine. Seus produtos são plataformas, ferramentas, projetos e conteúdos de qualificação profissional e ensino a distância integrando tecnologias inovadoras. Um dos diferenciais é oferecer soluções de ponta a ponta, incluindo desde o diagnóstico até o desenvolvimento da solução, além da captação e retenção dos alunos. Além da educação digital, o DOT também atua em MarTech – Marketing Technology. Com sede na capital catarinense e escritórios em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Lisboa/Portugal, o DOT tem mais de 300 colaboradores.

 

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT

Com foco em internacionalização, DOT digital group faz missão pela América Latina

Empresa é referência em EdTech no Brasil e quer conquistar mais mercado na América Latina em 2019

Depois de abrir uma joint-venture em Portugal, o DOT digital group segue buscando o mercado internacional para expandir seus negócios tanto em tecnologia da educação (EdTech) quanto em marketing (MarTech). Nesta semana, o diretor comercial, Sergio Baldivieso, e o diretor de internacionalização, Mário Hirose, iniciam pela Bolívia uma missão empresarial pela América Latina. “Nosso objetivo é abrir mercado para as soluções DOT. O potencial é enorme. Estimamos que existam cerca de 2.500 empresas de grande porte com alto poder de compra dos produtos do DOT”, afirma Baldivieso.

A missão vai percorrer nove países da América Latina: Bolívia, Paraguai, Argentina, Peru, Uruguai, Chile, Colômbia, Panamá e México.

Na Bolívia, os executivos do grupo já têm agendadas reuniões com 10 empresas, incluindo Bayer, Toyosa e Tigo, e representantes do governo nacional e estadual de Santa Cruz de la Sierra. Na sequência, a missão seguirá para o Paraguai e a Argentina. “A meta é concluí-la no primeiro semestre”, informa o diretor comercial. Com sede na capital catarinense e escritórios em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, o DOT tem mais de 300 colaboradores.

O processo de internacionalização do grupo começou no ano passado. Em missão à Ásia, o DOT abriu negociações com empresas de China e Singapura e também em Dubai, nos Emirados Árabes. No Brasil, o grupo atende empresas como Santander, TIVIT, Sicoob, C&A, ENGIE, Natura, Algar Tech, Honda e Tokio Marine, e já capacitou mais de 5 milhões de pessoas com ferramentas de treinamento corporativo e educação formal. Os produtos do DOT integram tecnologias inovadoras como gamification, realidade virtual, realidade aumentada, games e simuladores.

Um dos diferenciais da empresa é oferecer soluções de ponta a ponta, incluindo desde o diagnóstico até o desenvolvimento da solução, além da captação e retenção dos alunos, já que atua nos mercados de EdTech e também de MarTech. A empresa foi criada em 1996, em Florianópolis, pelo engenheiro e administrador Luiz Alberto Ferla, atual CEO, com o objetivo de conectar novas tecnologias aos processos de educação.

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT

[Opinião] Mercado global de e-learning cresce

E-learning – “O tempo corre, o tempo é curto: preciso me apressar, mas ao mesmo tempo viver como se esta minha vida fosse eterna”. A escritora Clarice Lispector expressou como poucos a angústia humana de correr contra o tempo e aproveitar cada minuto do dia para dar conta de nossas tarefas infindáveis. A tecnologia é vista por muitos como mais um vilão na correria contra o tempo (perdemos horas na internet), mas acredito que se for bem usada pode nos ajudar muito a não perder tempo. Experimente usá-la para aprender.

 

É um caminho sem volta. Estudo Global Market Insights indica que o mercado global de e-learning (aprendizagem on-line) deve crescer em média 10% ao ano entre 2018 e 2023. Essa evolução se dará tanto por demandas do setor acadêmico, para agregar valor à educação formal, quanto corporativo, com ferramentas de treinamento profissional. A expectativa é de que o volume total desse mercado alcance US$ 286, 6 bilhões em cinco anos. Para termos um parâmetro, em 2010, esse valor era de US$ 32 bilhões.

 

Esse otimismo todo tem uma explicação: a relação custo-eficácia do e-learning é muito positiva. Isso se deve principalmente à flexibilidade que a tecnologia proporciona. Se a lição está num aplicativo de celular, ao alcance das mãos, é possível aprender em casa, no congestionamento, enquanto espera no consultório ou a caminho do trabalho. Os avanços da tecnologia de e-learning também permitem que as pessoas (e mais pessoas, independente de classe social) escolham quando e o que aprender, definindo seus próprios objetivos, com autonomia. A escolha é sua. Aproveite seu tempo.

Luiz Alberto Ferla, CEO e fundador do DOT digital group

 

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT

[Na mídia] Perspectivas 2019: Cresce confiança do setor de TI em SC no crescimento econômico do país

A postura liberal acenada pelo novo governo gera otimismo entre empresários do setor de tecnologia em Santa Catarina, que espera para 2019 a redução da burocracia em questões chave, como exportação, tributação e abertura de novos negócios. Além do apoio ao empreendedorismo, representantes do setor esperam que o setor público invista mais em soluções de tecnologia, como forma de qualificar serviços.

Diretor de mercado da Dígitro Tecnologia, Octávio Carradore (foto), acredita que as recentes alterações no contexto político podem ser um indicativo de melhorias em âmbito econômico. “Enxergo o mercado muito mais otimista com a possibilidade de concretização dos investimentos que, até então, estavam represados. O governo é responsável por uma expressiva parcela da economia do país. Ainda que muitos ajustes sejam feitos, acredito que iremos ver adaptações sendo realizadas, também, nas empresas”, afirma.

O uso da inteligência artificial, na opinião do executivo, também pode gerar novas oportunidades de mercado. “Falamos muito sobre inteligência artificial e internet das coisas, por exemplo, e isso ocorre pela maturidade do mercado e pelo aumento de demandas. As tecnologias precisam atender às nossas necessidades, mas sem esquecer de garantir o sucesso no relacionamento com o cliente”, opina Carradore.

ANO DE RETOMADA?

Na visão de Luiz Alberto Ferla, CEO e fundador do DOT digital group, 2019 sinaliza ser o ano da retomada:

“Mesmo que gradual, a volta do crescimento econômico, favorecerá a geração de empregos e o fortalecimento das empresas. Acreditamos firmemente que novos tempos se aproximam, propiciando investimentos em tecnologia, inovação e educação”, afirma Ferla.

 

Empresa do setor de tecnologia para educação (EdTech), o DOT digital group capacitou mais de cinco 5 milhões de pessoas em cursos desenvolvidos tanto para instituições de ensino quanto para empresas como Honda, Natura, Tivit, Engie e Santander. Para 2019, aposta na internacionalização dos serviços.

“Nesse novo cenário político e econômico, será ainda mais decisivo o investimento em educação corporativa com o uso de novas tecnologias”, destaca.

EQUILÍBRIO FISCAL PARA IMPULSIONAR EMPREGOS

O empresário Gérson Schmitt (foto), fundador da Paradigma Business Solutions, confia na adoção de medidas mais rigorosas para garantir maior equilíbrio fiscal das contas públicas. Com a mudança desse cenário, Gérson acredita que será possível gerar um ambiente de atração de investimentos capaz de impulsionar a geração de empregos e a arrecadação de impostos.

“O crescimento da segurança jurídica e da ordem e segurança dos cidadãos, juntamente com a redução da pressão e da burocracia sobre as empresas, deve estimular novos empreendedores”, afirma Schmitt. O reflexo disso, segundo o executivo, será a atração dos investimentos necessários em inovação para que o país e as empresas brasileiras possam ganhar produtividade e competitividade.

 

AGRONEGÓCIO: IMPULSO PARA A TECNOLOGIA

A Confederação da Agricultura e Pecuária no Brasil (CNA) fez uma projeção de crescimento de 2% no PIB do agronegócio em 2019, frente a previsão de queda de 1,6% para 2018. Essa perspectiva deve influenciar processos de adesão das empresas a novas tecnologias. Segundo Bernardo de Castro (foto), presidente da divisão de agricultura da Hexagon, os gestores e empreendedores agrícolas estão em busca de soluções que conectam, sincronizam e otimizam todos os processos do campo.

“Há muitas tecnologias que não se conversam e processos que não interagem da melhor maneira, comprometendo os resultados. Como toda indústria, o campo precisa de processos integrados e eficientes para produzir mais com menos”, explica Bernardo. A Hexagon desenvolve em Florianópolis soluções digitais que vão desde o planejamento para o cultivo até a colheita e o transporte de matéria prima.

 

Matéria publicada originalmente pelo portal SC Inova

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT

[Na Mídia] DOT digital group tem operação em Portugal

O DOT Digital Group, fornecedor de tecnologia para os segmentos de educação e marketing, aposta na internacionalização como um dos pilares para crescimento em 2019.

A empresa tem uma operação em Portugal, iniciada a partir de uma parceria em 2018, e negocia a entrada no mercado chinês pelo mesmo modelo.

Em Lisboa, a companhia conta com um escritório com equipe comercial. Na China, o objetivo é iniciar a operação com um parceiro em março deste ano.

Para trabalhar o novo mercado, Luiz Alberto Ferla, CEO e fundador do DOT Digital Group, participou, em Xangai, da Exposição Internacional de Importações no mês de novembro.

“Já temos clientes na América Latina, na Inglaterra e em Portugal, onde estruturamos uma filial para atender a Europa”, relata Ferla.

O principal foco da empresa são soluções de tecnologia para o setor de educação.

Hoje, o carro-chefe da empresa é o StudiOn, um LMS (sistema de gestão de aprendizado, da sigla em inglês) oferecido no modelo de software como serviço.

“O sistema é o mais moderno do mercado por ser modular, funcionar totalmente no modelo mobile e ser gamificado. O sistema é multi-idiomas e conta com um e-commerce integrado”, destaca Ferla.

Além de desenvolver plataformas customizadas, a empresa oferece serviços de captação e retenção de alunos; diagnóstico e definição da estratégia de ensino; produção de conteúdo em diferentes formatos, como vídeos, e-books, games, quizzes e infográficos; consultoria na escolha de tecnologia e acompanhamento online do usuário com central de tutoria e monitoria.

“A educação será cada vez mais portátil, personalizada e onipresente. A aprendizagem estará nas mãos dos alunos, que terão o controle sobre o quê, quando, onde e como aprender. A tecnologia possibilita capacitar em larga escala e acompanhar o engajamento e desempenho em tempo real”, destaca o empresário.

O DOT também atua na área de marketing, com foco especialmente em soluções para monitoramento de redes sociais e construção de estratégia de comunicação digital.

Com sede em Florianópolis, o DOT Digital Group atende cerca de 30 clientes, entre eles Honda, Natura, TIVIT, Copel, C&A, Santander, Algar Tech e Sebrae/SC.

A companhia tem unidades em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, somando cerca de 200 colaboradores diretos.

*Conteúdo publicado originalmente em Baguete. Acesso 22/01 às 19h.

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT

5 insights sobre educação corporativa para inovar em 2019

2019 está batendo à porta: como você receberá o ano novo? Esteja preparado para aplicar a melhor estratégia de educação corporativa para o seu negócio e potencializar os resultados! Como? Confira 5 insights que poderão contribuir para o desenvolvimento do seu planejamento. Quem sabe aqui você não encontra a peça que faltava para completar esse quebra-cabeças.

1- Gamification

Gamification é a tendência número 1 para educação corporativa em 2019. Estudos indicam que essa é a tecnologia que os profissionais de RH e educação vão investir com mais força até 2020.

Quais as vantagens de usá-las em sua estratégia?

  • Aumenta o engajamento, a determinação e a produtividade;
  • Facilita o atingimento de metas e objetivos;
  • Torna a capacitação mais atrativa.

2- Microlearning

Com a atribulação diária de afazeres, temos cada vez menos tempo. Por isso, apostar em microlearning pode ser a saída para otimizar o tempo de seus colaboradores.

O microlearning busca transmitir conteúdos em um curto período de tempo, por meio de pílulas de aprendizagem. Assim, a absorção do conhecimento torna-se mais efetiva e flexível, possibilitando capacitar-se no decorrer do dia de trabalho.

Tire suas principais dúvidas com a nossa Consultora Educacional em vídeos de apenas 40 segundos! Clique aqui.

3- Mobile Learning

Um smartphone: esse é o equipamento necessário para que o profissional estude onde e quando quiser todos os conteúdos. Complemento ideal para o ensino híbrido, que hoje é a base da educação corporativa, fica difícil falar em estratégias de capacitação sem incluir também o mobile.

Força de vendas em campo

Para treinar a força de vendas do seu negócio, muitas vezes pode ser complicado optar por treinamentos presenciais, uma vez que os integrantes da equipe estão sempre em trânsito ou distante da sede da empresa. A educação mobile pode ser a solução.

4- Video Learning

Treinamentos em vídeo oferecem ainda maior engajamento, visto que, ao assistir,  o colaborador retém 95% da mensagem, contra 10% ao ler a mesma mensagem, e 72% das pessoas preferem vídeo a texto, quando ambos estão disponíveis na mesma página.

Tem mais benefícios:

  • Favorece o aprendizado com especialistas;
  • A transmissão de conteúdo é mais ágil se comparada ao texto;
  • A linguagem visual facilita a compreensão.

5- Experiências imersivas

Uma das grandes dificuldades das empresas é contar com toda a infraestrutura segura necessária para capacitação. Além de dispendiosos, muitos materiais são difíceis de transportar, impossibilitando que o mesmo conteúdo ganhe escala territorial. Alguns temas demandam, ainda, materiais específicos de difícil acesso, mas a tecnologia pode ajudar. Realidade virtual e realidade aumentada podem ser a solução.

Como benefícios, podemos citar:

  • Foco na execução de tarefas  e tomada de decisões;
  • Observação detalhada de elementos projetados digitalmente;
  • Educação com baixo custo  de execução;
  • O mesmo treinamento pode ser aplicado em diferentes lugares.

Saiba mais sobre como a RV e a RA podem transformar a educação corporativa. Baixe o ebook.

Pronto para inovar e aperfeiçoar sua estratégia para o próximo ano? Confira detalhadamente cada tendência citada acima  – e muito mais – em nosso ebook As 7 megatendências para educação corporativa em 2019.

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT

O que é Game Thinking

Você com certeza já ouviu falar em gamification, certo? E Game Thinking, você conhece esse termo?

Quando a gamification foi oficialmente inventada, pouco mais de 20 anos atrás, seu propósito era engajar consumidores em um contexto de marketing digital. Muita coisa mudou desde então. A abordagem cresceu. Surgiram aplicações em educação escolar, saúde, esportes, segurança de dados, transporte, dentre outras. Também foi evidenciado que não dá para dissociar gamification de outras abordagens com as quais ela parece muito: games, simuladores, playful design; e nem dá para conceber soluções em gamification sem pensar em tecnologias como Realidade Virtual e a Realidade Aumentada.

Pois bem, todas essas aprendizagens de décadas se integram em um conceito: Game Thinking.

A definição de Game Thinking por especialistas

Amy Jo Kim, consultora empresarial, diz em seu canal no Youtube que Game Thinking é “aquilo que Gamification quer ser quando crescer”. Kim apresenta uma forma de integrar gamification com a disciplina produtiva do Desenvolvimento Ágil e a capacidade de inovação estratégica do Design Thinking. Para Kim, o que a gamification quer ser quando crescer é esse método de criar inovações de sucesso de uma maneira lúdica.

game thinking

Já Andrzej Marczewski, importante especialista em Gamification, apresenta Game Thinking como a integração de todas as abordagens relacionadas a Game Design:

game thinking


Marczewski explica que fazer Game Thinking é dispor de uma caixa cheia de ferramentas no início de cada projeto e tomar aquelas que realmente precisar em seguida. Ao iniciar um projeto pode não estar muito claro ainda qual abordagem é a melhor. Isto é, se um jogo, ou um simulador, ou gamification. Mas o profissional de Game Thinking, versátil, está preparado para se adaptar às necessidades que surgirem.

game thinking

Game thinking – opção mais robusta e completa

Como já sabemos Gamification veio, firmou seu lugar, cresceu e sua importância virou senso comum no mundo corporativo. Cresceu tanto que se integrou com outros gigantes do mundo dos negócios: Agile, Lean UX, Simuladores, Realidade Virtual etc. Não dá mais para pensar em soluções em gamification apartadas dessas outras realidades.

Por isso, quando falamos em game thinking, tratamos de um universo ainda maior de estratégias baseadas em jogos e comportamentos. Uma estratégia que trabalha com um framework mais completo de soluções que podem ser usadas conjunta ou separadamente. E para que tudo isso funcione a equipe que desenvolve soluções game-liked deve antes de tudo ser interdisciplinar, e com isso conseguir fazer uso da grande variedade de abordagens, métodos e técnicas disponíveis quando o assunto é gerar transformações comportamentais.

Agora que você já sabe o conceito de Game Thinking, conheça o que o DOT digital group vem realizando nessa área.

Gamification na educação corporativa | Case Natura

Games na educação corporativa | Case Honda

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT

[Videocase] TIVIT investe em Realidade Aumentada para capacitar força de vendas

A necessidade de oferecer um conteúdo mais atrativo e que engaje os profissionais do time de vendas levou a TIVIT, líder em serviços integrados de tecnologia na América Latina, a investir em tecnologias como a realidade aumentada para capacitar a força de vendas.

“Nosso programa de desenvolvimento vem apoiar o negócio nos desafios da empresa para quem a gente possa  continuar gerando negócio, trazendo valor para a companhia”.

Veja o depoimento da Talita Aguiar, Supervisora de desenvolvimento organizacional TIVIT, sobre este case DOT digital group.

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT

Game Thinking: além da gamification

*Por Luiz Alberto Ferla

Para inovar é necessário que estejamos sempre atentos à atualidade sem perder de vista o que está por vir. Com a gamification não é diferente. O termo, que teve seu ápice no Brasil em meados de 2013, mas teve sua criação há mais de 20 anos, designa o uso de mecânicas de games para incrementar e otimizar processos de marketing, educação, saúde e tantas outras áreas. E, desde a sua invenção, de forma alguma parou de crescer e evoluir.

Por isso, hoje se fala de Game Thinking para fazer referência à área da qual a gamification faz parte – com algum destaque, verdade, mas apenas como parte. Game Thinking consiste em um conceito valioso porque é abrangente e aponta para a integração da gamification com outros saberes do meio corporativo em gestão e design.

Constatamos, no DOT digital group, que “Game Thinking” fazia muito sentido a partir de nossas experiências com gamification, nas quais aprendemos que essa abordagem nunca se encontra separada de outras da mesma natureza. Quase sempre um projeto para gamificar um portal, por exemplo, envolve um jogo como objeto de aprendizagem. Ou um simulador. Isso sem falar da associação inevitável de sistemas gamificados e tecnologias de visualização como realidade virtual e realidade aumentada.

Na prática, por vezes, é difícil separar games, gamification, simuladores, e outros. Difícil e talvez desnecessário, porque esses métodos se encontram unidos no framework do Game Thinking, o qual é, antes de mais nada, um termo que abrange todos os recursos relacionados com o lúdico.

Porém Game Thinking é mais que um nome para uma caixa de ferramentas. Também é uma forma bem pensada de usar essas ferramentas. A metodologia nasceu no contexto de desenvolvimento ágil de projetos, com especial ênfase em Lean UX. Em outras palavras, não basta ser ágil na hora de fazer: a experiência do usuário ainda faz toda a diferença em Game Thinking.

Por fim, como o nome da metodologia sugere, o Game Thinking deve muito ao Design Thinking como processo de inovação estratégica centrada nos usuários. O Design Thinking é um daqueles frameworks que, de tão bem aceitos nas organizações, tornou-se pano de fundo e senso comum em todo tipo de projetos. Diz respeito a, partindo de uma sólida pesquisa sobre o público-alvo, conceber produtos inovadores, prototipá-los e testá-los rapidamente para ciclos dinâmicos de validação. Principalmente do Design Thinking extraiu-se o insight que para inovar e gerar resultados é preciso adaptar-se em iterações.

Até aqui podemos concluir que o Game Thinking nos diz que gamification por si só não basta. Que esse método precisa do complemento interdisciplinar de uma boa gestão e um bom design. Como não poderia deixar de ser, o foco é a inovação voltada para resultados. E, quando se trata de Game Thinking, o resultado sempre passa por mudanças nos comportamentos dos usuários.

Em última instância, Game Thinking é sobre transformações com valor social e econômico. Nesses tempos em que a economia comportamental rende prêmio Nobel, demonstrando sua importância para o mundo, focar na integração das ciências comportamentais com a tecnologia digital se mostra um negócio cada vez mais promissor.

A transformação comportamental desejada pode ser formar alunos em determinado currículo visando à aquisição de competências. Pode ser treinar uma força de vendas. Ou uma campanha publicitária. Ou, ainda, promover saúde pública. Nessas e em outras áreas de aplicação, o Game Thinking consiste em engajar, em motivar pessoas tendo em vista uma transformação para melhor. O Game Thinking é um meio poderoso para obter a mudança comportamental desejada como fim.

Convido você a tomar parte nessa história de evolução da gamification rumo a Game Thinking. E boa parte de testemunhar e mesmo participar dessa evolução é conhecer o que o DOT digital group vem realizando na área.

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT

[Na mídia] Universidade Corporativa: um instrumento para elevar a competitividade

O desenvolvimento de diferentes tecnologias tem tornado a criação de universidades corporativas viável financeiramente

Cada vez mais empresas entram para o time de corporações que decidem criar universidades internas com o objetivo de qualificar não apenas sua própria equipe, mas também colaboradores e gestores de seus clientes. Até bem pouco tempo restrita a grandes companhias, o desenvolvimento e a popularização de diferentes tecnologias tem tornado a criação de universidades corporativas viável financeiramente para empresas menores, especialmente com a criação de ambientes virtuais de ensino.

“Manter um aprendizado dinâmico e constante, promovendo a cultura da educação dentro da sua empresa, é cada vez mais importante para aumentar a competitividade da empresa em relação ao mercado”, afirma Luiz Alberto Ferla, presidente do DOT digital group, umas das referências em tecnologias para a educação (EdTech).

 

A empresa tem em seu portfólio grandes marcas que investem em plataformas digitais para promover o desenvolvimento e treinamento de seus funcionários e parceiros, como Honda, Natura e TIVIT

A TIVIT, empresa em serviços integrados de tecnologia para a América Latina, queria expandir a Academia Techno TIVIT com a implementação de cursos a distância. O DOT desenvolveu uma plataforma com recursos inovadores como simuladores, realidade virtual e realidade aumentada. Em pouco mais de um ano, a ferramenta alcançou mais de 550 cursos disponíveis para cerca de 9.500 colaboradores. A partir desses resultados, a TIVIT lançou seu portal de educação corporativa, com foco no treinamento de seus colaboradores de TI.

Capacitando o próprio mercado – Capacitar o time do cliente é o objetivo da Universidade Cianet, lançada durante o ISP Next Summit 2018, promovido em novembro pela empresa. A Cianet é também uma das referências em soluções tecnológicas para pequenos provedores de internet, conhecidos como ISP. São mais de 7 mil prestadores de acesso à internet no Brasil, segundo dados da ANATEL. O segmento cresceu muito nos últimos anos e, junto, já é o terceiro maior mercado de acesso à banda larga fixa no Brasil, à frente da operadora Oi.

Para garantir a competitividade dos ISP e, assim, garantir o crescimento do próprio mercado, a Cianet está disponibilizando cursos online para seus clientes. Uma das trilhas, por exemplo, ensina equipes de ISP a instalar redes ópticas e redes FTTx. “Nosso papel é enxergar à frente estando ao lado do cliente”, afirma Sílvia Folster, CEO da empresa. “No segmento de mercado dos provedores regionais, questões que tangem a educação, como a escassez da mão de obra qualificada e o alto custo da formação de um profissional, são pontos que refletem diretamente nos serviços prestados pelos provedores”.

*Conteúdo publicado originalmente em Mundo RH. Acesse 04/12 às 14h48.

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT