Web3: uma nova forma de imaginar a internet

Tempo de leitura: 8 minutos

O crescente domínio de oligopólios sobre a Internet e os dados pessoais dos usuários resultou na necessidade de descentralização da rede. Profissionais da tecnologia trabalham no que chamam de uma nova fase da internet.

Como resultado, a chegada da terceira geração da World Wide Web, web3, é considerada no setor da tecnologia como “a grande revolução da internet”

Continue a leitura e mergulhe nesse universo tecnológico, que proporcionará uma transformação digital eficiente nos mais variados setores do mercado. 

O primeiro passo para a Internet que conhecemos hoje

Antes de começarmos a falar sobre essa nova revolução da Internet, vamos recapitular brevemente alguns momentos da sua história e relembrar episódios de como tudo começou. 

Se você já visitou um site, você já usou a World Wide Web (www), criada em 1989 por Tim Berners-Lee, que fez a primeira conexão de sucesso entre um computador e o protocolo http – Protocolo de Transferência de Hipertexto. 

Pouco depois, o NeXTcube, da NeXT, empresa criada pelo Steve Jobs, foi usado como o primeiro servidor web e, também, para escrever o primeiro navegador, o WorldWideWeb, em 1990.

No início a internet foi um protocolo aberto e descentralizado que começou a se centralizar nos anos 90, com as grandes empresas do mercado de tecnologias conhecidas hoje em dia.

Portanto, o que se espera com a chegada da Web3 é voltar à essência, ao início do que foi a internet: sem nenhum controle em grande proporção de uma ferramenta de comunicação tão importante e presente no nosso dia a dia.

Uma revolução ainda mais eficiente para a Internet 

No princípio, a Internet funcionava como uma espécie de livro. Os navegadores permitiam o acesso a seus conteúdos de forma limitada, sem que o usuário pudesse responder com o tópico exposto.

Basicamente uma via única, em que o servidor transmitia e o usuário do outro lado da tela consumia, sem maiores experiências interativas. 

Já com a segunda revolução — a Internet que conhecemos hoje — a pessoa usuária pode participar, tendo uma experiência de interação mais satisfatória.

Dessa forma, os usuários deixaram de ser espectadores passivos, e passaram a ter as ferramentas necessárias para a construção de conteúdo. 

O conceito de centralização impulsionou inovações no espaço tecnológico, mas, ao mesmo tempo, deu o poder a um punhado de entidades centrais, para decidir unilateralmente sobre os limites de acessibilidade das pessoas que usam World Wide Web. 

Logo, se a Web1 baseava-se em hyperlinks, e a Web2 acontece nas redes sociais, a Web3 será fundamentada na tecnologia blockchain. 

Afinal, o que é a Web3 e por que ela é tão importante?

A Web3 é uma evolução da internet, que marca o início de uma nova forma de utilizar a rede. Seu conceito foi citado pelo engenheiro britânico, Gavin Wood, co-fundador da blockchain e criptomoeda Ethereum. 

O objetivo da rede é dar ao usuário uma experiência digital livre, que une as características de hoje à inteligência artificial, promovendo diversos benefícios. Consiste na renovação da internet e oferece aos usuários o controle total sobre as atividades online, por meio de:

  • Recursos intuitivos;
  • Base na inteligência artificial;
  • Tecnologia blockchain;
  • Transparência e descentralização;
  • Maior privacidade, segurança de dados e escalabilidade.

Em outras palavras, revolução da Web3 visa alterar a centralização, usando uma rede descentralizada. Isso quer dizer que, todo computador poderá atuar como servidor ao invés de empresas controlarem seus servidores em propriedades privadas, e também será possível acessar informações de outros computadores na web.

Uma parte chave da estrutura da Web3 é a tecnologia blockchain, que permite criar “blocos” e formar cadeias de dados. O blockchain é conhecido principalmente por servir de base para as criptomoedas.

Além disso, nenhuma instituição pode controlar esse banco de dados, por ser altamente transparente e aberta. Justamente o que as pessoas estão procurando: mais transparência e descentralização. 

O futuro será moldado por tecnologias como a Web3, e essa revolução promete uma mudança significativa na Internet. Os elementos que permitem a Web3 estão sendo desenvolvidos e, de certa maneira, já são uma realidade.

Porém, sua tecnologia ainda não foi assimilada nem utilizada massivamente pelo público em geral.

Conheça os pilares e as características da Web3:

  • Descentralização: independência total de tecnologias de grandes empresas, órgãos governamentais ou outros fatores;
  • Virtualização: otimização e fortalecimento entre a interação do mundo real e do virtual, promovendo experiências no metaverso;
  • Privacidade: proteção de dados pessoais, eliminando os transtornos com rastreamento e publicidades direcionadas.

Ambiente empresarial com mulher e homem sorrindo em frente aos seus notebooks demonstrando animo em conhecer as Tendências para EdTech em 2023

Web3 está associada aos conceitos criptoativos

A principal tecnologia que permite a evolução da internet até a chegada da web3 é a blockchain. Ela funciona como uma espécie de livro de caixa criptografado, que registra informações de forma permanente e imutável.

Essa nova fase sugere descentralização do armazenamento de dados, pois esse sistema é compartilhado, e, por isso, qualquer pessoa pode registrar uma informação por meio de alguma plataforma que viabilize o registro.

Para ficar mais claro o seu funcionamento, basta pegar o exemplo da negociação das NFTs (tokens não fungíveis). A venda desses ativos é feita de forma direta, sem precisar de um intermediário. Ou seja, o “poder” está diretamente nas mãos das partes interessadas nessa negociação. 

Por exemplo, para empresas como a Meta, uma gigante no meio digital, que guarda dados de diversas pessoas e organizações, o armazenamento em um só banco de dados se torna mais vulnerável do que dados protegidos em uma cadeia de blocos criptografados. 

Quanto à privacidade dos usuários, a ideia é garantir que os dados estejam somente nas mãos de quem os pertence ao serem armazenados. Dessa forma, o próprio proprietário pode geri-los e permitir – ou não – o uso por empresas, através de contratos inteligentes.

Desvendando a nova fase da internet

Blockchain é uma palavra da moda com potencial transformador, trata-se de um livro público que registra e verifica transações automaticamente. 

Sua importância foi destacada nos últimos dez anos, e muitas organizações ao redor do mundo a adotaram e desenvolveram aplicativos inovadores. Até o setor educacional está colhendo os benefícios da tecnologia blockchain atualmente. 

Um exemplo disso: uma instituição que aceita um aluno transferido pode usar o blockchain para verificar seu histórico com apenas alguns cliques. O mesmo conceito se aplica ao compartilhamento de registros com um empregador. 

Desse modo, tecnologia blockchain pode ser usada como um recurso educacional útil durante o processo de aprendizagem, permitindo que os alunos gerenciem suas identidades acadêmicas e personalizem o seu aprendizado, passando a atuar como protagonistas do próprio desenvolvimento.

Quais as características da Web3

Segundo Francisco Carvalho, CEO da Blockchain Rio, uma das principais características é a descentralização:

“A web3 permite a criação de comunidades e estimula o processo criativo em conjunto de modo nunca visto antes, enquanto o blockchain permite a realização de novos negócios, com segurança e controle de todos esses processos e transações”.

8 características que podemos citar:
  1. Descentralização de dados
    A descentralização dos dados é um fator que proporciona maior autonomia aos usuários. Sendo assim, é possível ter mais liberdade para lidar com conteúdos e informações pessoais, sem depender das big techs.
  2. Tecnologia Blockchain
    A tecnologia blockchain é uma das maiores características da web3 e tem um papel essencial na nova rede.
    É uma modernidade que permite a criação de blocos para o trânsito de dados de forma totalmente segura, independente e anônima.
  3. Metaverso
    O metaverso é a versão tridimensional da internet, com a realidade virtual já adotada em diversas empresas de tecnologia. Uma das características mais inovadoras da web3 é estar diretamente relacionada com o metaverso, o que promete unir o mundo real ao virtual.
  4. Privacidade dos dados pessoais
    Os mecanismos que estão sendo desenvolvidos para a web3 fortalecem ainda mais o bloqueio a rastreadores e monitoramento das atividades em meio virtual. Proporcionando mais privacidade nos dados pessoais, evitando crimes e uso de dados pelas big techs.
  5. Tomada de decisão
    Com a chegada da nova rede, as informações serão públicas, e será possível ver como os computadores, orientados pela inteligência artificial, tomam decisões.
  6. Melhor experiência de busca
    As funcionalidades de contratos inteligentes, as transações e acordos podem ser automatizados e auto executados, o que contribui para evitar fraudes e roubos de identidade.
  7. Diversidade e Inclusão
    A
    internet é uma poderosa ferramenta para fomentar a conexão e criar oportunidades. No entanto, não é acessível para todos. Pessoas com deficiência, por exemplo, têm dificuldades para navegar e não aproveitam todo o potencial oferecido, o que mudará com a chegada da web3.
  8. Web3 e a Internet das coisas
    Com a chegada da Web3, essa rede pode se tornar ainda mais útil, pois possibilitará o armazenamento de dados em um banco descentralizado.
Como a web3 beneficia a EdTech

A Web3 ainda está engatinhando, mas já começou a revolucionar diversos setores da economia. Isso não seria diferente com o setor EdTech, que também será afetado por essas mudanças.

A educação caminha na mesma direção da Web3, já que a tecnologia da nova fase da World Wild Web promete liberdade e segurança.

Do mesmo modo, oferece oportunidades para que a educação seja mais econômica, acessível e credenciada de forma transparente.

Essa nova versão da web pode redescobrir o processo de aprendizagem, onde os alunos terão a liberdade de escolher seus caminhos para estudos mais personalizados.

O setor de EdTech está sendo fortemente impactado, principalmente para que os profissionais se adaptem às novas tecnologias e inovem em suas áreas de atuação.

Hoje em dia, as pessoas estão cada vez mais interessadas no desenvolvimento contínuo de suas habilidades, gerando aprimoramento e requalificação, devido às constantes mudanças e cobranças do mercado de trabalho. 

Por isso, a Web3 é vista como um celeiro de novas oportunidades, com aprendizagens imersivas, sem fronteiras e de grande potencial com a chegada de tecnologias como o metaverso.

Estamos entrando em uma era onde a tecnologia será o motor da prosperidade, impulsionando a reestruturação social em todas as áreas. Os processos de educação vão mudar, jovens vão ensinar os mais velhos, numa imersão de papéis.

Mulher contente com fones de ouvido e lápis na mão em uma sala de reuniões com seu notebook aparenta estar tendo uma aula.

EdTech se beneficiará de várias maneiras na Web3:
  • Máquinas conectadas são mais acessíveis e oferecem acesso facilitado ao conhecimento.
  • Materiais de ensino serão mais personalizáveis e envolventes, se tiverem os recursos certos. Eles conseguirão ajudar grupos menores de alunos ou indivíduos com maior independência, bem como tornarão os alunos mais independentes.
  • Os alunos poderão aprender em qualquer lugar e a qualquer hora que quiserem, tornando o aprendizado muito mais ágil.
  • Os mecanismos de pesquisa gerarão relatórios que combinam informações de várias fontes, levando em conta diferentes argumentos e indicando a existência de recursos relacionados.
  • Pesquisas mais inteligentes serão possíveis, e fornecerão resultados personalizados de acordo com as preferências do usuário, isso economizará tempo e energia. 
Overview da Web3: por que é importante para a educação?
  • Consegue aumentar o potencial de ganhos, por meio de uma plataforma digital que permite a criação de conteúdo, monetização e compartilhamento de informações.
  • A inteligência artificial é um método para desenvolver módulos de autoaprendizagem e educação flexível. Permite autossuficiência e evolução. O sistema também rastreia as preferências e hábitos do aluno para fornecer os recursos e resultados necessários.
  • Os usuários podem personalizar suas experiências de aprendizado, adicionando suas preferências, interesses e escolhendo especializações. Os módulos de aprendizagem EdTech permitirão que os usuários personalizem seus materiais de aprendizagem e forneçam dados adequados.
  • Avatares virtuais serão criados a partir de perfis de usuários, que são representativos dos interesses e preferências de aprendizagem online.
  • IoT (Internet of Things), que permitirá a integração de dispositivos adicionais, facilitando a conectividade à Internet sem quaisquer restrições de localização.
  • A Web3 garantirá a descentralização da computação, eliminando a centralização da estrutura multiservidor baseada no compartilhamento de informações. Blockchain é um exemplo.

Por último, fique por dentro de tudo o que acontece no mercado de EdTech com o DOT Digital Group, inscreva-se em nossa newsletter!

2023-05-04T15:05:06-03:00