[Infográfico] Por que a aprendizagem mobile é tão efetiva?

mobile learning | A capacitação da sua equipe precisa de novas abordagensCom a Era Mobile, as pessoas preferem aprender em pequenas “pílulas” diárias, em qualquer lugar, com alguns minutos livres.

Confira neste infográfico a importância de fazer parte desta tendência.

 

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT

[Infográfico] Por que a aprendizagem mobile é tão efetiva?

A capacitação da sua equipe precisa de novas abordagens. Com a era mobile, as pessoas preferem aprender em pequenas “pílulas” diárias, em qualquer lugar, com alguns minutos livres.

Clique na imagem e confira os detalhes do mercado mobile e as oportunidades que ele oferece no nosso infográfico interativo.

socialbase

 

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT

Opinião | EdTech e a revolução para o setor de educação

Luiz Alberto Ferla*

Caminhamos para um estilo de vida on demand. Já podemos dizer que somos uma nação de nativos da era digital, na qual as pessoas veem como essência da vida a relação com o universo digital e é possível buscar opções de serviços quando, como e de onde elas quiserem.

É provável que, no futuro, poucas ofertas não sigam esse modelo sob demanda. Um setor que tem demonstrado um crescimento exponencial nesse sentido é o mercado de educação e capacitação online, por conta do rápido avanço das tecnologias utilizadas para gerar a melhor experiência e interação nos cursos, onde o aluno estiver.

Para 2017, podemos esperar uma oferta cada vez maior de conteúdos que podem ser consumidos de forma rápida, simples e pessoal por meio de EdTech – Education Technology (em português, Tecnologia para Educação). EdTech é a unificação das últimas tendências tecnológicas para criar um processo de educação online mais dinâmico, atrativo e efetivo.

Entre essas tecnologias temos bons exemplos, que vêm ganhando espaço quando se pensa em estratégias para a educação online:

Realidade virtual: solução inovadora que funciona como um convite à imersão em um ambiente virtual.

Realidade aumentada: permite a geração da realidade física por meio de dispositivos que processam e exibem as informações.

Gamification: componente importante para garantir o engajamento, estimulando comportamentos estratégicos e pré-mapeados com o objetivo de alcançar resultados em curto e médio prazos.

Big Data e Learning Analytics: quando aliadas, podem mapear novos tipos de aprendizagem e ajudar a identificar os materiais mais adequados às necessidades de capacitação.

Internet das Coisas: objetos e dispositivos que se conectam para coletar e trocar dados pela Internet.

Futuro

Todos os esforços de tecnologia voltados para a educação poderão revolucionar o setor. De acordo com o futurista do DaVinci Institute, Thomas Frey, até 2030 as maiores empresas na Internet serão empresas educacionais das quais ainda não ouvimos falar. A visão dele para 2030 é de que haverá cursos online de forma massiva. Só que, ao invés de instrutores humanos, eles serão robôs bastante inteligentes, que irão personalizar os planos de aula para cada aluno. Essa customização das aulas permitirá que os alunos aprendam de forma muito mais rápida do que se tivessem que competir com outros 19 alunos pela atenção do professor.

Diante desse cenário, é provável que o uso de tecnologia para a educação se torne cada vez mais relevante, com modelos de treinamento atrativos, que gerem engajamento, maior desempenho e satisfação. Inclusive, já é possível prever o interesse de empresas privadas nessa tecnologia, mas também dos governos interessados em melhorar os níveis de educação em seus países.

Afinal, além da absorção do conteúdo em si, é possível notar que o bom uso da tecnologia na educação e na capacitação aumenta a captação de alunos, reduzindo a evasão dos cursos online e incrementado os índices de satisfação e de qualidade das iniciativas.

Para os próximos anos, podemos aguardar uma verdadeira revolução no setor, uma vez que muitas instituições já se preocupam com o processo de ponta a ponta, aplicando ao sistema o que há de mais moderno em tecnologia. No centro dessa revolução, é certo que teremos EdTech.

 

Luiz Alberto Ferla é CEO do DOT digital group, grupo brasileiro especializado na oferta de soluções para EdTech e MarTech.

 

 

Este artigo foi publicado também no portal Administradores, OverBr e Minuto Tech.

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT

Opinião | O futuro da educação e os aplicativos móveis

Ligar para pedir delivery de comida, controlar os dispositivos domésticos ou ir à agência bancária para resolver questões relacionadas à conta são apenas alguns dos muitos exemplos de atividades do cotidiano que estão ficando no passado. Com o desenvolvimento e o constante avanço do uso de aplicativos, hoje é possível resolver tudo isso e muito mais pelo smartphone ou tablet.

De olho nesse movimento, empresas têm desenvolvido e aprimorado seus apps buscando a melhor experiência de uso possível para seus consumidores. E este não é um mercado pequeno: somente no Brasil, no segundo trimestre de 2015, o número de brasileiros que usavam smartphone para acessar a Internet já havia ultrapassado 72 milhões de pessoas. Neste cenário, a indústria da educação não fica para trás, já que os aplicativos desenvolvidos para mobile são parte fundamental da estratégia para que os estudantes absorvam os conteúdos de forma simples e rápida, a qualquer momento e de qualquer local.

A EdTech (Education Technology) – unificação das últimas tendências tecnológicas para criar um processo de educação online mais atrativo – tem se mostrado uma aliada essencial para quem quer acompanhar essa revolução que veio com o uso crescente dos aplicativos. Dentro de EdTech, por exemplo, podemos trabalhar com tecnologias de realidade virtual, realidade aumentada, gamification, entre outras. Isso torna o conteúdo de aprendizado mais dinâmico e interessante para os alunos.

Para exemplificar como a EdTech tem estimulado o uso de aplicativos, podemos citar casos em que o setor educacional aplica a gamification com o objetivo de garantir o engajamento e o foco dos estudantes durante o aprendizado. Isso faz com que as pessoas se sintam mais motivadas e confiantes em relação ao entendimento do conteúdo aplicado.

Em um trabalho de sucesso que fizemos recentemente no DOT digital group, conseguimos engajar mais de 5 mil líderes de uma empresa do ramo de energia em um programa de capacitação online com o uso de gamification. O objetivo da estratégia era engajar as pessoas no consumo dos objetos educacionais e na colaboração para a disseminação do conhecimento. O conteúdo tratava de cinco temas distintos e foi apresentado em pequenos módulos de consumo rápido e prático, chamados de microlearning. Nossos analistas de gamification classificaram cada um dos módulos de acordo com o perfil motivacional da audiência e com os temas abordados. Em seguida, foi planejada a jornada do usuário por meio do conteúdo, no qual ele acumulava pontos, medalhas e níveis, à medida em que consumia os objetos educacionais ou interagia com os colegas.

Nessa estratégia, foram criadas seis categorias de pontos e medalhas, uma para cada tema do programa de capacitação e uma para as ações de colaboração. Dessa forma, o usuário tinha autonomia para compor seu próprio currículo e acompanhar seu desempenho dentro do programa, da forma mais adequada ao seu perfil profissional.

O celular não é mais inimigo das salas de aula, podendo ser um importante aliado. As instituições educacionais estão cada vez mais interessadas no desenvolvimento de seus próprios aplicativos móveis personalizados. Afinal, os aplicativos já estão totalmente incorporados em nosso dia a dia, e isso não pode restringir o ambiente de estudo. Quem lançar mão de novas tecnologias e diferenciais para essas aplicações estará engajando uma audiência cada vez mais conectada.

 

Luiz Alberto Ferla é CEO do DOT digital group, grupo brasileiro especializado na oferta de soluções para EdTech

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT