Conquistar novas oportunidades

Criar conhecimento em uma organização significa harmonizar o trabalho de criação com a disseminação e a incorporação nos produtos, serviços e sistemas da empresaToda e qualquer organização não só processa conhecimento como também o cria. De fato, a criação de conhecimento constitui-se na principal fonte de competitividade internacional das empresas asiáticas, o que se contrapõe aos estudos de administração que negligenciam a criação de conhecimento pelas organizações.

No processo de criação, as formas tácitas e explícitas do conhecimento são tomadas como unidades estruturais básicas que se complementam.A dinâmica da criação do conhecimento na organização exige a interação entre essas duas formas de modo repetido, num processo de evolução espiral, que se desenvolve em quatro níveis: indivíduo, grupo, organização e sociedade. O desenvolvimento da perícia em fomentar a inovação de forma contínua, incremental e em espiral, constitui-se na chave do sucesso da grande maioria das empresas orientais. Neste sentido, destaca-se que a saída encontrada por empresas para períodos longos de crise, muitas vezes, é voltar-se para a criação de conhecimento organizacional como forma de romper com o passado, ingressando em novos territórios de oportunidades.

A Nokia é um belo exemplo: evoluiu da produção de papel para se tornar a líder mundial da produção de celulares.A compreensão das formas de conhecimento – tácito e explícito – e a distinção entre as maneiras sob as quais elas podem ser transmitidas, processadas e armazenadas, são as forças motrizes da criação de conhecimento de uma organização. Isso se deve ao fato de que, para que o conhecimento tácito seja compartilhado, ele deve ser convertido para a forma explícita, de modo a possibilitar sua compreensão e, novamente, em tácito, quando é absorvido por outros membros da equipe, gerando mais conhecimento. A responsabilidade pela criação do conhecimento não deve recair em um setor, departamento ou grupo específico de profissionais.Criar conhecimento é o resultado de uma interação dinâmica entre todos numa organização.

Entretanto, todos numa organização recebem e interpretam o conhecimento de forma ativa, adaptando-o às suas próprias situações e perspectivas. Cabe aos consultores empresariais direcionar essa “salutar confusão” na criação do conhecimento. Esse senso de direção, associado à criação de conceitos gerais de identificação de características comuns, permite associar atividades ou negócios aparentemente bem diferentes.A gerência intermediária desempenha um papel de extrema importância na criação de conhecimento, uma vez que está a seu cargo o resumo do conhecimento tácito da linha de frente da produção e dos altos-executivos, de forma a torná-lo explícito e incorporá-lo a novos produtos e tecnologias.

Esse nível específico de gerentes é o verdadeiro responsável pela transformação das crises econômicas em oportunidades competitivas, por meio da criação do conhecimento e da geração de inovações. Uma forma de a alta gerência viabilizar a criação de conhecimentos é fornecer ao “time” apenas instruções básicas, as linhas norteadoras, possibilitando, assim, uma intensa troca de ideias e surgimento de propostas que certamente agregarão valor ao produto resultante. Na realidade, só é preciso inovar com a criação de um novo conhecimento.

*Neri Dos Santos é doutor em engenharia pelo Conservatoire National des Arts et Métiers – Paris (França), professor titular da UFSC e consultor técnico da Knowtec (www.knowtec.com)

Link Original

Receba Conteúdos!

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos produzidos pelo DOT